domingo, 7 de setembro de 2014

E O TERNO QUE ERA CONCRETO NA VERDADE É ABSTRATO

Filhos da vanguarda paulistana apresentam o novo rock psicodélico brasileiro com um olho no passado e outro no futuro.  


A guitarra de Tim Bernardes é cada vez mais feroz, o baixo de Guilherme d'Almeida, o 'Peixe' emana suingado e sofisticação enquanto a bateria de Vitor Chaves carrega cada vez mais peso e balanço. Fora as participações especiais de gente como Tom Zé, Luiz Chagas, Marcelo Jeneci, entre outros.

Com letras inspiradas Tim propõe uma crônica cotidiana, surreal e por vezes propondo teoremas conspiratórios. O álbum abre com a rasgante 'Bote ao contrário' de instrumental sofisticado calcado nos teclados especiais do próprio Tim. 'O cinza', única parceria de Tim com Chaves (todas outras composições são apenas de Tim) tem o riff poderoso de abertura substituído por um clima delicado até a melodia explodir em mil pedacinhos como “o jornal arremeçado”, da letra da canção – que descreve um dia nubloso em São Paulo de forma poética e singela.

'Ai ai como eu me iludo' poderia ter sido gravada por Otis Redding, caso este falasse português, mas cabe bem no arranjo poderoso d'O Terno'. Canção calcada no órgão Hammond de Pedro Pelotas, onde Tim apresenta mais uma crônica pessoal do cotidiano. 'Quando estamos todos dormindo' tem o órgão Saema de Marcelo Jeneci e mostra uma das teorias malucas de Tim, onde ele especula sobre o que fazem as pessoas enquanto dormem. “Porém saibam que o sonho é o que é real de fato, e o que era concreto na verdade é abstrato”, diz ele na letra.

Em 'Eu confesso' Tim trás mais uma análise pessoal psicológica das pessoas em si, seguida por 'Brazil' com letra em inglês e uma versão lúdica e fantasiosa dos cenários tupiniquins – com direito a selva criada em estúdio pela banda e auxílio de Gabriel Basile. 'Pela metade' tem mais outra crônica característica de Tim, com sua letra conversada e cantada – como um papo de amig...

'Medo do medo' tem participação de Tom Zé e mostra o domínio da banda em criar uma atmosfera que encaixe no sentido das letras. 'Eu vou ter saudades' tem a mesma atmosfera soul e a mesma participação de Pelotas no órgão Hammond, bem como o lap steel de Luiz Chagas (guitarrista da 'Isca de Polícia'). 'Vanguarda?' ou 'Filhos da Vanguarda (ou não)' faz um belo relato sobre a situação do jovens artistas paulistanos, que cresceram sob as influências familiares, ou não, da 'Vanguarda Paulistana'.

Em 'Quando eu me aposentar' Tim sugere que a hora de descansar está diretamente relacionada com a sensação de ter completado algo na vida – mas que este sentido dá-se apenas no presente. 'Desaparecido' trás outra letra característica de Tim, com um história fabulosa de ficção-científica envolvendo clones, sequestro e crises existenciais – com participações de André Vac nas rabecas e Gabriel Milliet no sax e flautas.

Através do “desespero doentio de quem não sabe enfrentar o vazio”, 'O Terno' encerra o disco com delicadeza suficiente para deixar a sensação de que falta alguma coisa... Pois a verdade é que falta mesmo... Dê play novamente, que você descobrirá o que é...

2014 O Terno

1. Bote ao contrário
2. O cinza
3. Ai, ai, como eu me iludo
4. Quando estamos todos dormindo
5. Eu confesso
6. Brazil
7. Pela metade
8. Medo do medo
9. Eu vou ter saudades
10. Vanguarda?
11. Quando eu me aposentar
12. Desaparecido

Nenhum comentário: