sexta-feira, 28 de setembro de 2007

ONDE ESTÁ O MEU CONTROLE REMOTO?

Voltando ao assunto, e para completar o ciclo das bandas que nasceram em brasília e originaram umas às outras, eu coloco aqui o disco único do ‘Xalé Verde’. A formação tinha Bibi no vocal, Dudu Maia e Arapuca nas guitarras, Wava no baixo, Barata na bateria e Waguinho no teclado.

Paralelamente com as atividades do Xalé Verde, existia um grupo de amigos que tinha montado uma banda que fazia apresentações acústicas. Esses amigos eram oriundos de um grupo de teatro chamado 'Nu Trágico', e no início tiveram vários nomes, entre eles ‘Os Gambás de Luziânia’ e tinha em sua formação Ricardo Guti e Marcius Barbieri nos vocais e percussão, Lula Orione no violão e voz e Luiz Espiga na clarineta. Mas a banda acabou se chamando ‘A Tuba Antiatômica do Planalto’, depois do auxílio de Cobrinha no saxofone, Sérgio Cepa na guitarra, Wava no baixo e Barata na bateria. Enquanto isso, o grupo 'Nu Trágico' virou 'Celeiro das Antas' e hoje apresenta o conjunto 'Casa de Farinha', mas isso é uma outra história - até porque um dos integrantes do grupo também faz parte do 'Satanique Samba Trio'.

O ‘Xalé Verde’ acabou, e seus integrantes seguiram seus caminhos. O Dudu Maia esta tocando bandolim, o Wava vocês já sabem, o Barata além de participar na ‘Radio Casual’ e Toró de Palpite, tem incrementado as noites de Brasília com projeto Criolina, seja no Calaf, na TV ou na Rádio Cultura. O Waguinho também está tocando seus projetos e além de ter participado do disco do Toró de Palpite, tocou no disco do Assis Medeiros, ‘Burrodecarga’. A Bibi largou a música e está se dedicando à criação da sua filha. Já o Arapuca é jornalista e escreveu para o JB de Brasília assinando como Alexandre Guiote, mas atualmente está fazendo um doutorado em jornalismo em Barcelona. ‘A Tuba Antiatômica do Planalto’ ganhou a adesão de Bianca nos vocais e depois gravou um EP e o primeiro e único disco. Depois de muita estrada, a banda finalmente acabou. Lula Orione foi o primeiro a gravar um disco solo, que até hoje não foi lançado, e tinha uma grande parceria com Luiz Espiga, que está morando no exterior. O Lula divide a carreira musical com a de psicólogo esportivo, e atualmente esta mais dedicado à psicologia,onde é conhecido como Luis Orione. Marcius Barbieri hoje em dia está mais ligado na direção e montegem de cinema e o Guti gravou o disco com a ‘Radio Casual’, junto com o Sérgio Cepa, Wava e Barata, e também com o Cobrinha, que editou e mixou toda a parada. O Cepa atualmente está tocando guitarra e programações com 'O Grande Barco', que mistura música de resgate com elementos eletrônicos, repente e poesia. O Cobrinha tem o estúdio Casulo em Brasília, que antes se chamava Útero, bem na época dos discos da ‘Tuba Antiatômica do Planalto’, e ele só não gravou o ‘Xalé Verde’ e ‘Os Cachorros das Cachorras’ porque ainda não tinha equipamento, e porque ainda tinha a esperança de se disciplinar e entrar para uma banda, participar dos ensaios, das sessões de fotos, e até chegar no horário dos shows. Ao que parece, tudo começou nos ‘Os Cachorros das Cachorras’, que se não influenciaram toda essa galera, pelos menos, abriram a picada para todas essas outras bandas com estilo passarem. Porque Brasília não se resume apenas a 'Legião pós-punk-new-wave-eu-quero-ser-Morrisey Urbana', nem 'Capital não-sabia-cantar Inicial' e 'Plebe nunca-fomos-tão-os-mesmos-que-antes Rude'.

1998 Xalé Verde

1. Introdução
2. Microbi-us de luz
3. Matérias em arte
4. Cristalinaguá
5. Clareou
6. Jaboticabeira radioativa
7. Horizonte reto ou circular
8. Tripé
9. Porte velho
10. Murmúrios de um rei
11. Aqui jazz

http://www.mediafire.com/?3hnytkw6gys

2000 A Tuba Antiatômica do Planalto (EP)

1. Controle remoto
2. Macaco
3. A-tor
4. Música de desenho animado
5. Cu com acento
6. O som

http://www.mediafire.com/?djbemxtttsl

2003 A Tuba Antiatômica do Planalto

1. Frevo
2. A bala
3. A-tor
4. Esperança no vermelho
5. Música de desenho animado
6. Cu com acento
7. Macaco
8. Moura
9. Controle remoto
10. Flower power
11. O som
12. Cu do avesso

http://www.mediafire.com/?5wxfczvypbv

segunda-feira, 24 de setembro de 2007

A VIDA SUBMARINA DE SEU JORGE

Seu Jorge é músico consagrado internacionalmente, mas não foi por causa de suas músicas. Seu Jorge nasceu Jorge Mário da Silva, e ganhou esse apelido de Marcelo Yuka, ex-baterista do Rappa, quando ainda fazia parte do Farofa Carioca com Gabriel Moura, sobrinho do saxofonista Paulo Moura.

Mas o cantor brasileiro ficou conhecido internacionalmente por causa de sua participação em filmes brasileiros como Cidade de Deus, de Fernando Meireles, Casa de Areia de Andrucha Waddington, e mais precisamente no filme do cineasta norte-americano Wes Anderson, ‘A Vida Marinha com Steve Zissou’.

Foi nesse filme, que ele conseguiu mostrar sua voz interpretando canções de David Bowie. As canções que regravou do cantor camaleão inglês, fizeram sucesso que renderam um disco inteirinho com regravações de Seu Jorge das canções de David Bowie.

Antes de gravar o Samba Esporte Fino, Seu Jorge fez inúmeras participações especiais com outros cantores e artistas. Uma dessas participações, o trouxe para Brasília para um trabalho junto com dois músicos brasilienses, Ricardo Garcia e Rodrigo Freitas, mais conhecido como Kiko Freitas. Por conta desse projeto, Seu Jorge enfrenta um processo judicial por plágio.

O projeto para o qual foi convidado era chamado de Gafieira SA, e qualquer semelhança com o nome da canção, não é mera coincidência. A dupla brasiliense acusa Seu Jorge de ter plagiado várias canções, como ‘Carolina’, ‘Tive razão’, ‘Chega no suíngue’, ‘Gafieira SA’, entre outras.

Durante um show na capital, Seu Jorge deu de cara com várias faixas com os seguintes dizeres, “Seu Jorge, seus fás querem saber a verdade?”, e “Aqui está a verdadeira Carolina”, cartaz que era segurado por Carolina, namorada de Ricardo Garcia, e a inspiração para a canção. Seu Jorge apenas comentou no palco que “não se pode ser preto e pobre nesse país, que as pessoas já vêm logo querendo tirar uma casquinha”.

O processo está no Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDF) desde 2002, e Seu Jorge já foi derrotado em primeira instância. Caso seja derrotado, na segunda e última instância, ele ainda pode recorrer no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Seu Jorge se recusou de comentar o caso com a imprensa quando esteve em Brasília. Por isso, sua conduta evasiva deixa claro uma postura que leva à dúvida sobre o assunto.

Mas mesmo assim, ainda acho o som do cara bem legal, o suíngue, o balanço, a voz, enfim, Seu Jorge é um cara bem talentoso, mas pode ser que tenha um probleminha no pé.

Pensando nisso, os discos do Seu Jorge estão disponíveis para download, uma vez que os direitos autorais podem não lhe ser de direito.

2007 América Brasil o Disco

1. América do norte
2. Trabalhador
3. Burguesinha
4. Cuidar de mim
5. Mina do Condomínio
6. Mariana
7. Só no chat
8. Samba rock
9. Seu olhar
10. Eterna busca
11. Voz da massa

http://www.4shared.com/file/28165015/3a83d896/2007_Amrica_Brasil_o_Disco.html

2006 The Life Aquatic Studio Sessions

1. Rebel rebel
2. Life on mars
3. Starman
4. Ziggy Stardust
5. Lady Stardust
6. Changes
7. Oh! you pretty things
8. Rock ‘n roll suicide
9. Suffraggette city
10. Five years
11. Queen bitch
12. When I live my dream
13. Quicksand
14. Team Zissou
15. Space oddity (bônus track)

Parte 1: http://www.mediafire.com/?0gzdmvczonz

2005 Ana & Jorge Ao Vivo

1. São Gonça
2. Problema social
3. Zé do Caroço
4. Carolina
5. Comparsas, O pequinês e o pitbull
6. Tanta saudade
7. É isso a[i (The blower’s daughter)
8. Pra rua me levar
9. Chattertton
10. Beatriz
11. Brasil corrupção
12. Mais que isso
13. Garganta
14. Vestido estampado
15. O beat da beata

http://www.mediafire.com/?2mtyiod1mqt

2004 MTV Ao Vivo

1. Chega no suíngue
2. Te queria
3. Haguá, A carne
4. Mania de peitão
5. Samba que nem a Rita à Dora
6. O samba taí
7. O pequinês e o pitbull
8. Carolina
9. De alegria raiou o dia
10. Doidinha
11. São Gonça
12. Funky baby, A massa
13. Mangueira
14. Gafieira SA

Parte 1: http://www.mediafire.com/?4zvmxslsjzz

2003 Cru

1. Tive razão
2. Mania de peitão
3. Chattertton
4. Fiore de la cittá
5. Bem querer
6. Don’t
7. São Gonça
8. Bola de meia
9. Uma mujer
10. Eu sou favela

http://www.mediafire.com/?bovxbz2m0om

2001 Samba Esporte Fino

1. Carolina
2. Chega no suíngue
3. Mangueira
4. O peguinês e o pitbull
5. Te queria
6. O samba taí
7. Haguá
8. Samba que nem a Rita à Dora
9. Madá
10. Funky baby
11. Em Nagoya eu vi Eriko
12. De alegria raiou o dia

http://www.mediafire.com/?dedei3szejz

1996 Farofa Carioca

1. Dudivara
2. Moro no Brasil
3. A lei da bala
4. São Gonça
5. Bebel
6. Doidinha
7. A carne
8. Timbó
9. Jacaré
10. Índio
11. Rabisca-Robson
12. Menino da central

http://www.4shared.com/file/29235488/7afa41d4/1996_Moro_no_Brasil.html

segunda-feira, 17 de setembro de 2007

UMA RÁDIO PERMANENTE E DEMOCRÁTICA

A Radio Casual, é formada por Ricardo Guti na voz e percussão, Wava El Afiouni (olha o cara aqui de novo) no baixo, Sérgio Cepa e Toronto nas guitarras, Janá Sabino nos teclados, Rodrigo Barata (de novo) na bateria e Johana Abreu nos backing vocals.

Guti é ator e diretor de teatro, e é também palhaço profissional, e sua voz é uma mistura do grave do Arnaldo Antunes com a harmonia de Paulo Miklos.

A cozinha é competente, claro são Wava, Barata, Janá e Johana. As guitarras são um caso a parte. Sérgio Cepa é um guitarrista competente, mas ele tinha a incumbência de dividir a cena com ninguém menos que Toronto Viramundo. Quem é esse cara?

É dificil achar um guitarrista que consegue criar um estilo único de tocar. Quando você ouve o Santana, você sabe que é ele tocando, o mesmo com Jimi Hendrix, e com vários guitarristas sensacionais. O Toronto é assim. Ele toca e você sabe que é ele. Quer uma prova? Ouve o solo no final da primeira música do disco, ‘Statuos quo’, e também da canção ‘Limite’. Se o Hermeto Pascoal tocasse rock ele seria o Toronto.

Ah! Esse disco também tem a direção musical do Cobrinha, que também toca saxofone na ‘Oração do solteiro’.

2006 Tomo Um do Oráculo Universal das Constantes Inconstâncias Pessoais do Pessoal

1. Statuos quo
2. Forró
3. Apresentação
4. Loa
5. Oração de solteiro
6. Por aí
7. Trava língua
8. Pra God
9. Canta ação
10. Lampião
11. Limite
12. A palavra

segunda-feira, 10 de setembro de 2007

O ENGENHOSO FILDALGO DOM WAVA EL AFIOUNI

Fui no tororó, beber água e não achei, achei foi o Toró de Palpite quebrado tudo com a ’fofúria das marimbas, dos djambés, dos atabaques, das moringas, dos bongôs da fonte-de-água-molhada.

Quer saber o que é o som do Toró de Palpite? Eu também! Mas só posso dizer que as músicas são chiclete nos ouvidos e também pela ’fofúria dos arranjos, harmonias e das melodias zoonóicas.

Putaqueopariu, Wava! Que puta sonzásso ficou o disco. Você e o Cobrinha piraram na batatinha hein? Na hora da masterização. Eu até quero um pouquinho desse aí, viu?

Aquela velha história de experimentar, gravar um CD, levar no som do carro, ouvir também no som da casa, no DVD do vizinho, e até largar nas pickups do Barata, lá lounge no Calaf. Daqui a pouco vocês vão estar gravando os bumbos da batera, no assoalho do banco traseiro de algum carro.

Ficou sério esse negócio de subir os graves e encorpar o som. E que experimentação doida? Você usaram até mesmo som de construção. Isso quase virou ‘música descontrolada’...

Para quem não sabe, o Toró de Palpite é formado pelo Wava El Afiouni no baixo e voz, Rodrigo Barata na bateria, Claudia Dalbert no vocal e congas, e João Ferreira no violão e guitarra. Mas daí também participaram do disco vários músicos da cidade, como Assis Medeiros (da postagem anterior), Dudu Maia, Wagner Galvão, Cacai Nunes, entre outros, e até o Esdras Nogueira, que toca saxofone nos Móveis Coloniais de Acaju.

O que que é isso? Tem até um samba pro Bin Laden! E que tecladinho mais Pink Floyd esse do Waguinho hein? Pra quem não sabe também... O Wava, o Barata, o Dudu e o Waguinho tocavam juntos no Xalé Verde. Essa banda de Brasília, lançou um único disco em 1999 e acabou acabando devagar, divagando... Mas a banda gerou outras bandas, que também já acabaram, mas que também já geraram outras bandas. Uma delas é o Toró de Palpite.

A capa do disco tem desenhos do Mateus Dutra e arte gráfica do Tiago Pezão. A produção musical e masterização ficou mesmo a cargo do Cobrinha. Putaqueopariu Cobrinha? Ficou bom demais essa masterização! Daqui pra frente é só arrumar o bumbo automobilístico.

E essa história do SuperWava, hein? Que doidêra? Quero um também... Mas eu gostei mesmo da musiquinha do Looney Toones ao fundo. Isso foi no apê do Cobrinha? È porque esse som me remete à infância e as belas manhãs de moleque vendo esses desenhos na TV, e o Cobrinha não combina com o período da manhã.

Mas daí eu me lembrei que hoje em dia existe TV a cabo e que poderia muito bem ser durante a noite, que é o horário natural do Cobrinha. E um tema recorrente do disco é o mar, a água, líquidos etc.

Daí, estavamos todos de frente para a praia, e as ondas lambiam deliciosamente as areias já escaldadas pelo intenso sol. O fim de tarde era reluzente e brilhante, pintando o céu de cores vivas e incandescentes, que fosforeciam com a menor incidência de luz. No fundo da aquarela salgada, jaziam pepitas de marfim revestidas em ornamentos lúdicos, que remetiam aos seres longíguos do fundo do mar.

Entre águas profundas e impenetráveis, nos depararmos com translúcidas e transparentes, e cheias de luz, que chegavam a refletir seu interior. Algumas jaziam imóveis e flutuantes, enquanto outras nadavam livremente num balé néon e lusco-fusco. Faziam círculos entre as outras e giravam por toda parte em busca de melhor iluminação. As que jaziam imóveis, flutuavam piscando, piscando, piscando, e piscando, e naquela imensidão, imersidão, onde nem mesmo os afogados penetravam, refletiam a sinfonia marítima de Poseidon.

Eram seres longíguos do fundo do mar, ou não... Eram o sim, ou o não... Vai ver teríamos onda errada, uma auto-indução-alucinação... Mas eu tomei um pedacinho igual aos seus...

Por isso mesmo é que todo mundo deve baixar esse som! Tem que baixar esse som! Vixê Maria! Se não baixar? Vai perder um sonzão... Vai que é somdubão!

2007 Toró de Palpite

1. Ô social
2. Afofúria
3. Peixe
4. Pangaré
5. Angico vermelho
6. Deveras neios
7. Minina
8. Jaboticabeira radioativa
9. Sambobim
10. Zé
11. Zôonóias
12. Zôonóias II
13. O retorno da nokuda
14. Faixa 14 (Bônus... ou não)

segunda-feira, 3 de setembro de 2007

O DITADO TECNOPOPULAR DE ASSIS MEDEIROS

Outro dia o Assis me abordou e perguntou:

_ Mas rapaz! Eu vi você no meio do engarrafamento, com um charutão... Era de verdade?

Era sim Assis, daqueles bem grandões, iguais aos do ‘Melô da diamba’, porque todo dia religiosamente é preciso parar o tempo para ficar reggae na manha do samba. E ouvindo o reggae da diamba eu fiquei sabendo que é amor de janela e sexo pela tela, do hacker, do hambúrguer, comida eletrônica com o homem tarântula.

Mas o que é isso? Sexo tarântrico? Mas eu ouso dizer mais – que sexo é aspirina.

Pois é Assis, teu disco é uma pedrada e me lembrou de um Lenine mais rockenrrou, de um Piazzolla menos tango, de um samba menos roda, de um ‘Ditado tecnopopular’ de um ‘bumba-meu-boeing’.

Que coisa bonita o título da canção ‘Saudade é plástico’, hein? Quantas idéias bonitas essa musica traz? Abraço de cinto de avião, beijo de sabão, saudade é plástico que polui o coração etc, e o pulso ainda pulsa... Por favor, não saque a arma no salão, que eu sou apenas um poeta...

Mas é o seguinte, meu caros ‘ovintes’, o som do Assis tem poesia, tem samba, tem rock, tem reggae, tem funk, tem sexo, tem pop, enfim, tem música boa de ouvir.

E como o próprio Assis se auto-define, num pensamento de isopor em que nada o difere, ele é “um sem estilo, um depravado musical”.

Então tchau Assis...

Ahhh! E antes que me esqueça, eu achei muito bonito o desenho da Flora.

As crianças têm o poder de fazer as pinturas mais impressionantes, basta que saibamos a hora certa de tirar o desenho de suas mãos. E esse burrinho tem personalidade própria, graças a ela.

Abraços na Flora (pelo desenho) e no Pablo (pela inspiração em ‘Saudade é plastico’).

E vocês ‘ovintes’, só vão sentir o arrepio da canção, se baixarem o disco... Só vão ver o burrinho, se baixarem... Só vão conhecer o som, se...

2007 Burrodecarga

1. Sambinha de metrô
2. É carnaval
3. Tempo reggae samba (Melô da diamba)
4. Nem na manha
5. Nada nos difere
6. Burro de carga
7. Banzo beleza
8. Saudade é plástico
9. Falta poesia
10. Vermelhor
11. Ditado tecnopopular
12. Peça peça peça
13. O inconcebível
14. Além da flor

Baixe aqui pelo Eu Ovo