segunda-feira, 30 de junho de 2014

AMOR QUE FOI DE PLÁSTICO FICOU TODO EM PEDAÇOS

Deboche, ironia e sagacidade são apenas alguns detalhes que sobressaem na performance da 'Madame Rrose Sélavy'.



A banda belohorizontina, 'Madame Rrose Sélavy', apresenta o que é um dos mais fieis registros de uma de suas apresentações – no Teatro Klauss Viana na capital de Minas Geraes.

Este álbum, 'Bootleg ArteSônica', é o segundo ao vivo da banda e também o que mostra o melhor recorte auditivo do “happening” que é o espetáculo desta banda punk moderna. Com uma performance inspirada eles desfilam clássicos autorais e demonstram presença de palco e completa abdução do público.

Neste show, durante a Mostra Arte Sônica de BH, a banda apresentou um show com uma formação inusitada. Com Miguel Javaral no baixo, Rodoxter Woorooboo na bateria, Lacerda JR e Alex Pix nas gitarras e Ana Mo e Tuca nos vocais – mostrando um “delícioso punk flow”.

Destaque para as inéditas 'Pano & osso' e 'Amor de plástico', prometidas para o próximo álbum, 'Eletrofrevo' – sem previsão de lançamento.

Enquanto o novo disco não vem – fique com este registro ao vivo de um espetáculo sem igual.

2014 Bootleg ArteSônica

1. Atriz na high society
2. Ônibus lotado
3. Canção que ninguém canta
4. Merda pela grama
5. Moça da novela
6. Só você que não vê
7. Ninguém
8. Pano & osso
9. Inteligência artificial
10. Deixe os remédios
11. Amor de plástico
12. Bomba
13. Bulimia
14. Monalisa de bigode

domingo, 22 de junho de 2014

BAU NOVO DE GRANDES NOVIDADES

Banda Goiana apresenta um samba contemporâneo cheio de referências modernas numa batucada ancestral. 



A banda 'Baú Novo' é novinha, recém-criada em 2012, mas possui uma ancestralidade encrostada na alma. Tudo isso por causa do estilo musical – o samba. Mas não é um samba qualquer.... Eles remetem ao breque Morengueira, sagacidade Noelística e à todo ziriguidum dos antigos mestres sambistas, com uma pitada de modernidade.

Junto com a nova geração de sambistas modernos, o pessoal do 'Baú Novo' deliciam o ouvinte com uma delicadeza característica do chapadão goiano. Formada por Deny Robert e Kátia Helenice nos vocais, Pedro Jordão no violão, Anderson Vinicius no cavaco, Muryllo Gomes na bateria, Waguinho PG na percussão e Rozinaldo Miranda no sax e flauta.

O EP 'Grito' foi lançado no final de 2013 e chamou atenção logo de cara com os acordes da canção que dá título ao single, e faz uma crítica sagaz à atual situação social. Seguida pela bem humorada 'Goiânia de samba', que brinca com o pré-conceito de que na capital de Goiás só existem sertanejos em dupla ou carreira solo. Com cavaco, surdo e pandeiro eles tocam a boiada.

'Mania de mim' se revela um samba-canção delicado e sutil, seguido pelo samba-metal-pesado de 'Canto liberdade'. O grupo promete um LP completo para o final do ano e desde já deixa a curiosidade aguçada com a possibilidade de uma obra cheia de vigor e originalidade.

Dois mineiros, dois goianos, um brasiliense, um alagoano e outro de Recife, a banda 'Baú Novo' apresenta até em sua formação a diversidade deste país, com um samba moderno e contemporâneo.

2013 Grito EP

1. Grito
2. Goiânia de samba
3. Mania de mim
4. Canto liberdade

domingo, 15 de junho de 2014

AH É O SOM SAMBANZO AO VIVO

Thiago França lança mais um registro evolutivo de seu próprio processo criativo em outro estado e com diferentes parceiros. 



O 'Sambanzo' de Thiago França acontece de forma intuitiva e improvisada – talvez de uma forma bem mais organizada que os eventos com a outra banda do França, o 'MarginalS' e bem menos que mais uma outra banda do França, o 'Metá Metá'.

O primeiro álbum da banda foi 'Etiópia' lançado digitalmente e depois em formato digipack em 2012. Da forma como foi concebido, o disco foi gravado. Como um registro ao vivo realizado com muita urgência.

O que não influenciou o resultado nem a qualidade da obra, gravada com França nos sopros, Kiko Dinucci no violão e guitarra, Marcelo Cabral no baixo, Pimpa na bateria e Samba Sam na percussão.

Como o próprio França alardeia na descrição desse novo produto, o álbum 'AH!', é uma “versão carioca quase paranormal do disco ao vivo, show sem ensaio com a galera tocando junto esse repertório pela primeira vez. Gravado na Audio Rebel no dia 4 de fevereiro de 2014”.

Isto é, gravado ao vivo com o pessoal do Rio de Janeiro tocando o mesmo repertório do álbum gravado em São Paulo. Incluindo duas canções não presentes no álbum de 2012. Uma canção do EP 'A Espetacular Charanga do França', 'Cumbia, cumbia' e outra inédita, 'Ngoloxi'. Com França no saxofone tenor, Gustavo Benjão na guitarra, Pedro Dantas no baixo e Thomas Harres na bateria.

Enfim, o jejum de um artista viciado em lançar discos – sejam digitais ou não. Uma pérola do novo cancioneiro popular brasileiro.

2014 AH!

1. O sino da igrejinha
2. Xangô
3. Tilangueiro
4. Cumbia, cumbia
5. Ngoloxi
6. Capadócia
7. Etiópia
8. Risca-faca

domingo, 8 de junho de 2014

O SOM DAS ALMAS GRANDES

Banda formada no Rio de Janeiro apresenta uma mistureba de influências e referências, que extrapolam as diversas formas de arte. 



A banda 'Mohandas' faz referência a diversos artistas em uma mistura cosmopolita, que reflete a influência de vários ritmos e estilos.

O 'Mohandas' tem voz e percussão de Bel Baroni, Dudu Lacerda e Nana Orlandi, teclados e sintetizadores de Diogo Jobim, baixo e percussão de Pedro Rondon e guitarra, voz e percussão de Micael Amarante.

Em 'Saudade do Pará' eles apresentam o carimbó legítimo daquele estado. Com participação de Rian Batista no baixo – que também produziu o álbum – junto com os barulhinhos e efeitos eletrônicos de Dany Roland.

Seguindo as reverências latinas eles apresentam a 'Cumbia', misturada com o reggae – no melhor estilo Quantic – numa canção instrumental que declama a situação social da América Latina. Com participação de Estevão Benfica Senra no charango.

Na bela 'Fidalgo', eles criam um reggae franco-latino – que emula Mano Chao – com um final climático apoteótico percussivo. Em 'Mohandas' eles aceleram para o ska numa versão dub com percussões de Flávio Santos (alfaia) e Pablo Friedman (djembê) – ele também produziu o disco, junto com Rian Batista.

A banda também apresenta canções mais eletrônicas, que experimentam o “indie-pop” e apresentam letras simples e pegajosas como 'Monkey dance', 'Take a shower' e 'George Clooney' – que ironiza a publicidade protagonizada pelo ator, na qual ele serve um café expresso a uma desconhecida.

'Djeredjere' também tem introdução eletrônica, mas se desvela como uma balada singela e introspectiva. 'Kite' apresenta um dia de verão com bom vento para praticar o esporte conhecido como “kite-surf”, ou surfe de pipa em português.

Em 'Rasul' eles se apropriam da canção 'Milagreiro' de Djavan como música incidental e criam uma peça musical de oito minutos com uma exuberante ode mística e exotérica.

Com o álbum 'ETNOPOP', lançado em 2012, o 'Mohandas' desfila uma série de sonoridades para compor uma obra cheia de referências a diversas formas de arte.

2012 ETNOPOP

1. Saudades do Pará
2. Monkey dance
3. Cumbia
4. Figaldo
5. Djeredkere
6. Kite
7. Rasul (Milagreiro)
8. George Clooney
9. Take a shower
10. Mohandas

domingo, 1 de junho de 2014

NOS RINCÕES DA SAPIÊNCIA

Rincon Sapiência é Danilo Aibert Ambrósio, que nasceu e cresceu na Cohab 1 do bairo de Itaquera da zona leste de São Paulo.



O novo cenário do rep brasileiro está cheio de grande novidades, entre elas Rincon Sapiência é uma das gratas surpresas.

Com rimas rápidas e precisas, Rincon apresenta um mosaico de informações sobre o pensamento de um subúrbio brasileiro. O cenário que ele representa é o mesmo cantado por vários rimadores de todo país.

Digo cantor, porque como todos conterrâneos, Rincon canta sim. Ele apresenta uma rima sincopada, que remete desde o samba de breque ao repente ou embolada. Suas canções falam sobre a situação social do povo pobre brasileiro. Diversas referências fazem um retrato real da rua e do povo.

Depois de cantar com diversos artistas como Kamau, EMICIDA, Buguinha Dub, Thalma de Freitas e com as bandas 'NX Zero' e 'Sorry and Friends', Rincon partiu para o projeto solo, este álbum 'SP Gueto BR'.

O disco tem produção do próprio Rincon, mas também com faixas produzidas por Wzy, Le Dread e Ticopro, scratchs do DJ A.S.M.A., participações de Denna Hill (vocais), Guimas Bass (baixo), Caio Trova (guitarra) e Carlinhos Alves (percussão).

2014 SP Gueto BR

1. Batidão
2. Profissão perigo
3. Transporte público (remistura)
4. Neguin di kebra pt 2
5. É real
6. Coisas de Brasil
7. Rep and roll
8. Festa no gueto
9. Andar com fé
10. Estilo maloca