segunda-feira, 27 de agosto de 2007

AQUELE QUE CARREGA A MORTE NO BOLSO

Conheci o som do Fela Kuti numa viagem de carro, quando um amigo, vocalista de uma banda me entregou uma fita cassete, minutos antes da viagem de duas horas que enfrentaríamos em comboio.

A banda desse amigo meu, iria se apresentar na mesma noite, algumas horas mais tarde. Isso mesmo, nós estávamos viajando de noite, e esse amigo me entregou uma fita cassete que tinha escrito apenas Nigera’s Fela. Tanto que eu achei que esse era o nome do artista, até que finalmente eu me rendi ao som fenomenal de Fela Ransome Kuti.

Neste agosto, fizeram 10 anos da morte de Fela Kuti, em decorrência a complicações com a AIDS, em três de agosto de 1997. Muito antes, no dia 15 de outubro de 1938, Fela nascia em Abeokuta, cidade do sul da Nigéria, mais conhecida como a capital do Estado de Ogum.

Fela nasceu em berço político, seu pai era professor e sua mãe tinha atividades feministas, e como bem definiu Alexandre Matias, num texto publicado na ‘Radiola Urbana’ e no ‘Trabalho Sujo’, “ele era o equivalente africano a Che Guevara e Bob Marley”. Praticamente em todos os sentidos.

Na juventude, Fela mudou-se para Londres a fim de estudar medicina, mas foi a música que capturou sua essência. Na Inglaterra mesmo, ele formou a banda ‘Koola Lobitos’, e iniciou os primeiros passos no estilo afrobeat, uma mistura de jazz, funk, e música tradicional africana.

No final dos anos 60, Fela foi para os Estados Unidos e gravou o disco, ‘The Los Angeles sessions’, e conheceu um grupo intitulado ‘Panteras Negras’ que lhe mostrou o movimento blackpower, que acabou definindo sua luta política em prol de movimentos sociais na sua terra natal, tanto que ele renomeou a banda para ‘Nigéria 70’.

Ao retornar para Nigéria, Fela rebatizou a banda mais uma vez para ‘África 70’, e lançou o selo musical, que também tinha função de comunidade, estúdio e lar para todos aqueles que se consideravam independentes do Estado da Nigéria, o ‘Kalakuta Republic’.

Fela cada vez mais lutava pela libertação da Nigéria e pelos direitos humanos na África. E também espelhando-se nas ações que ecoavam do movimento negro norte-americano, com expoentes como Martin Luther King e Malcom X, Fela adotou o nome Anikulapo, que significava ‘aquele que carrega a morte no bolso’, e repudiou o nome Ransome por ser o nome de escravo da família.

Em 77 Fela lançou o disco ‘Zombie’, que criticava as ações dos militares nigerianos, fazendo uma alusão a mortos-vivos. O disco fez muito sucesso, mas desagradou o governo nigeriano, que lançou um ataque contra a ‘Kalakuta Republic’, num incidente que causou a morte da mãe do artista e destruiu as instalações do estúdio do artista.

Em 1978 Fela se casou com vinte e sete mulheres, que faziam parte de sua banda, como dançarinas ou backing vocals, para relembrar a massiva destruição do ‘Kalatula Republic’. Logo após, Fela lançou em campanha para presidente na Nigéria, mas sua candidatura foi recusada.

Fela remontou sua banda com novo nome de ‘Egypt 80’, e continuou a lançar discos no estilo afrobeat. Ele tentou mais uma vez se candidatar à presidência da Nigéria, mas foi preso sob a acusação de envolvimento com a máfia.

Após quase dois anos, Fela foi liberado da prisão e voltou a gravar com a ‘Egypt 80’, com quem se apresentou no Concerto ‘Conspiracy of hope’ em beneficio da Anistia Internacional em 1990.

Fela lutou até o fim da vida contra a ditadura na Nigéria, mas o que ficou mesmo foi sua música.

1966 Fela Ransome Kuti and His Koola Lobitos

1. Highlife time
2. Omuti tide
3. Ololufe mi
4. Wadele wa Robin
5. Laise Lairo
6. Wayo

http://www.badongo.com/file/4134556

1969 The ’69 Los Angeles Session (& Koola Lobitos)

1. My lady frustation
2. Viva Nigeria
3. Obe
4. Ako
5. Witchcraft
6. Wayo
7. Lover
8. Funky horn
9. Eko
10. This is sad

http://www.badongo.com/file/4134788

1971 Fela Kuti & África 70 (& Ginger Baker)

1. Let’s start
2. Black man’s cry
3. Ye ye de smell
4. Egbe mi o (Carry me I want to die)
5. Drum solo (Ginger Baker & Tony Allen)

http://www.mediafire.com/download.php?2kxg4ncrjzj

1972 Na Poi (& África 70)

1. Na poi
2. You no go die

http://www.4shared.com/file/22682723/6610d1cb/1971_Na_Poi.html

1972 Open & Close (& África 70)

1. Open and close
2. Swegbe and pako
3. Gbagada gbagada gbogodo gbogodo

http://www.4shared.com/file/22685903/c36fa6fa/1971_Open__Close.html

1972 Roforofo Fight (& África 70)

1. Roforofo fight
2. Go show
3. Question jam answer
4. Trouble sleep yanga wake am
5. shenshema
6. Ariya

Parte 1: http://www.mediafire.com/?cmetndotu4x

1973 Afrodisiac (& África 70)

1. Alu jon jonki jon
2. Jeun ko ku (Chop'n quench)
3. Eko lle
4. Je'nwi temi (Don't gag me)

http://www.4shared.com/file/22687410/e1ac9dd9/1973_Afrodisiac.html

1973 Gentleman (& África 70)

1. Gentleman
2. Fefe naa efe
3. Igbe (Na shit)

1975 Expensive Shit (& África 70)

1. Expensive shit
2. Water no get enemy

1975 He Miss Road (& África 70)


1. He miss road
2. Monday morning in Lagos
3. He no possible

1975 Kalatula Show (& África 70)

1. Kalatula show
2. Don't make garan garan

http://www.badongo.com/file/4135261

1976 Before I Jump Like Monkey Give Me Banana (& África 70)

1. Monkey banana
2. Sense wiseness

http://www.badongo.com/file/4135122

1976 Ikoy Blindness (& África 70)

1. Ikoy blindness
2. Gba mi meti ki ndolowo

http://www.4shared.com/file/28068775/50a062ed/1976_Ikoy_Blindness.html

1976 No Buredi (& África 70)

1. No buredi (No bread)
2. Unnecessary begging

http://www.badongo.com/file/4135436

1976 Yellow Fever (& África 70)

1. Yellow fever
2. Na poi 1975

http://www.badongo.com/file/4135682

1976 Zombie (& África 70)

1. Zombie
2. Mr. follow follow
3. Observation is no crime

http://www.badongo.com/file/4135557

1977 J.J.D. (& África 70)

1. J.J.D. (Johnny just drop)

http://www.4shared.com/file/22697169/ec9a58e1/1977_JJD.html

segunda-feira, 20 de agosto de 2007

SUPERCORDAS REPRISE

O que mais eu posso dizer sobre essa banda Supercordas, que já não foi dito na outra publicação.

Eles são poderosos, já que nos remetem a uma psicodelia esquecida na música popular brasileira.

Após o êxito da postagem com o disco mais recente do Supercordas, ‘Seres verdes ao redor’, que alcançou mais de mil downloads, publicado no Eu Ovo, Lágrima Psicodélica, Som Barato e na comunidade do Eu Ovo no orkut.

Daí eu achei por bem, publicar os outros discos da banda que já foram lançados, como o primeiro disco de 2003, 'A pior das alergias', o EP de 2005, 'Satélites no bar' e o single do último disco, que tem versões diferentes das músicas, o single 'Ruradélica'.

2003 A Pior das Alergias


1. A pior das alergias
2. Quando o sol se põe
3. Meu vidrinho de fluídos oníricos
4. Frutas verdes
5. Longe do chão
6. At the core
7. Câncer
8. Quase fim
9. Café pra não dormir

Baixe aqui pelo Eu Ovo

2005 Satélites no Bar (EP)

1. Da órbita de um sugador
2. Satélites no bar
3. Supercordas
4. O céu que você vê
5. O perspicillum
6. A terra da tv

Baixe aqui pelo Eu Ovo

2006 Ruradélica (Single)

1. Ruradélica
2. 3000 folhas
3. Ricochete

Baixe aqui pelo Eu Ovo

segunda-feira, 13 de agosto de 2007

EXCUSE ME MISTER

É mentira, o que dizem por aí, que o cantor e compositor norte-americano Ben Harper ficou famoso no Brasil após fazer um dueto com a cantora Vanessa da Mata, na canção ‘Boa sorte/ Good luck’.

Harper já tocou no Brasil no ‘Free-Jazz’, e na ‘Via Funchal’ no início deste ano. Todos os shows tiveram lotação esgotada e foram muito bem sucedidos. Todo público parecia saber de cor suas canções.

É certo dizer que Ben Harper alcançou um número maior de audiência com sua participação no novo disco de Vanessa da Mata. Mas ele já era bastante conhecido aqui no Brasil, e não seria pelo fato de ser casado com a atriz Laura Dern.

Lembro que meu primeiro contato com Ben Harper, foi em 1995 quando vi o clipe de ‘Excuse me Mr.’, e logo em seguida comprei o disco que tinha a canção. A partir daí, jamais parei de acompanhar a carreira deste norte-americano.

O disco mais recente de ‘Ben Harper & The Innocent Criminals’ chama-se ‘Lifeline’, ‘Linha da vida’ em inglês, e vai ser lançado no final de agosto.

Aqui no blogui, você ouve antes, e pode pegar o disco agora, antes do lançamento oficial. E para coroar a publicação, vai de lambuja o primeiro disco gravado por Harper, em parceria com Tom Freund, ‘Pleasure and pain’.

Enquanto o disco mais novo é predominante de composições próprias em vários estilos e ritmos, o primeiro álbum prima pelas canções tradicionais, clássicos de Robert Johnson, e apenas duas composições do próprio Harper.

2007 Lifeline (& The Innocent Criminals)

1. Fight outta you
2. In the colors
3. Fool for a lonesome train
4. Needed you tonight
5. Having wings
6. Say you will
7. Younger than today
8. Put it on me
9. Heart of matters
10. Paris sunrise #7
11. Lifeline

http://www.4shared.com/file/29501350/11077c11/2007_Lifeline___The_Innocent_Criminals_.html

1992 Pleasure and Pain (& Tom Freund)

1. Whipping boy
2. Jesus on the mainline
3. Pay the man
4. Quarter of a man
5. Mama's got a girlfriend now
6. Angel from Montgomery
7. Click yo' heels
8. You should have come to me
9. Dust my broom
10. Sweet home Chicago
11. Pleasure and pain

segunda-feira, 6 de agosto de 2007

TOM ZÉ CURRICULUM VITAE

Antonio José Santana Martins, o Tom Zé, nasceu em 11 de outubro de 1936 em Irará, na Bahia. Em 1962, foi classificado em primeiro lugar no exame de vestibulares, e ingressou na Escola de Música da Universidade Federal da Bahia.

Em 1964, recebeu uma bolsa de estudos da Universidade Federal da Bahia, para o curso Superior da Escola de Música da mesma Universidade, como prêmio pelo primeiro lugar obtido nos exames finais do Curso Intermediário.

Freqüentou cursos de História da Música com H. J. Koellreutter, Violoncelo com Walter Smetak e Piero Bastianelli, Composição e Estruturação com Ernst Widmer, Contraponto com Yulo Brandão, Harmonia com Jamary Oliveira, Piano com Aida Zolinger e Violão com Edy Cajueiro.

Foi um dos fundadores do Grupo de Compositores da Bahia de música erudita, ao lado de Milton Gomes, Lindebergue Cardoso, Rinaldo Rossi, Jamary Oliveira, Nicolau Kokron e Ernst Widmer.

Participou do concerto realizado pela Orquestra Sinfônica da Universidade Federal da Bahia como membro do I Grupo de Compositores da Bahia. Participou do espetáculo teatral Arena Canta Bahia, realizado no Teatro de Arena de São Paulo. Em 1965 gravou o primeiro compacto, com as canções ‘São Benedito’ e ‘Maria do colégio da Bahia’.

Em 1967 começou a ensinar Contraponto e Harmonia na Escola de Música da Universidade Federal da Bahia, a tocar violoncelo na Orquestra Sinfônica da UFBA, e apresentou a canção ‘A moreninha’ no Festival de música Brasileira da TV Record.

Em 1968 ganhou o Festival de Música Popular Brasileira da TV Record, com a canção ‘São Paulo, meu amor’, e participou do movimento Tropicália, com uma faixa no disco-manifesto.

O primeiro disco foi produzido pela Gravadora Rozemblit em 1969, e no ano seguinte lançou mais um álbum pela RGE.

Entre vários discos, de 72 pela Continental, e 73 com o disco ‘Todos os Olhos’, Tom Zé lançou vários compactos, alguns com canções que jamais saíram em álbum, e outros com versões diferentes das músicas que saíram nos discos.

Em 1975, participou da peça musical ‘Rocky Horror Show’, como ator e cantor, no Teatro da Praia no Rio de Janeiro.

Em 1976 gravou sua obra-prima, o disco ‘Estudando o Samba’, produzido pela Continental Discos. O resto da história todo mundo já sabe (quem sabe em outra postagem eu continuo)...

1965 Compacto RCA

1. São Benedito
2. Maria do colégio da Bahia

1968 Compacto Rozemblitz

1. São Paulo, meu amor
2. Curso intensivo de boas maneiras

1969 Compacto Som Maior

2. São Paulo, meu amor
(1º Prêmio no IV Festival da Música Popular Brasileira)

1969 Compacto RGE

1. Você gosta
2. Feitiço

1969 V Festival de Música Popular Brasileira

1. Jeitinho dela
2. Bola pra frente

1969 V Festival de Música Popular Brasileira (Ao Vivo)

1. Jeitinho dela (com Os Novos Baianos)
2. Bola pra frente

COMPACTOS DOS ANOS 60
Baixe aqui pelo Eu Ovo

1970 Compacto RGE

1. Lá vem a onda
2. Escolinha de robô

1971 Compacto RGE

1. O silêncio de nós dois
2. Sr. Cidadão

1971 Compacto RGE (com Rogério Duprat)

1. Jimi renda-se
2. Irene

1972 Compacto (Se o caso é chorar)

1. Se o caso é chorar
2. A babá

1973 Compacto Continental

1. Augusta, Angélica e Consolação
2. Quem não pode se Tchaikovski

1974 Compacto (com Odair Cabeça de Poeta)

1. Botaram tanta fumaça
2. Dodó e Zezé

1974 Compacto (com Tiago Araripe)

1. Conto de fraldas
2. Teu coração bate, o meu apanha

1975 Compacto Continental

1. Solidão (Só)
2. Mãe solteira

COMPACTOS DOS ANOS 70
Baixe aqui pelo Eu Ovo

1999 Compacto Imprensa Cantada

1. Vaia de bêbado não vale
2. Vaia de bêbado não vale (instrumental)
3. No dia em que a bossa nova pariu o Brasil

Baixe aqui pelo Eu Ovo