domingo, 30 de agosto de 2009

THE WOODSTOCK COMPLETE PROJECT

Passados 40 anos do festival de Woodstock, os free-downloads e as facilidades da internet propiciaram uma autêntica viagem ao passado. Quem não esteve lá, e quem esteve e sente falta, pode agora escutar quase que integralmente os shows daqueles três dias de paz, amor e música.

O Projeto Woodstock, iniciativa que compilou as várias apresentações no evento valendo-se de todas as gravações disponíveis, alcançou quase a exatidão dos shows daqueles três dias. Algo impensado antes da era dos free-downloads. Mas hoje em dia... Tudo é possível!

No primeiro dia, 15 de agosto de 1969, as estradas impediram a chegada da banda ‘Sweetwater’, escalada para abrir o festival. Foi por isso que Richie Havens, que já estava em seu quarto de hotel, foi o primeiro a se apresentar, logo depois de ser transportado às pressas de helicóptero e visto o mar de 500 mil pessoas e carros espalhados pela estrada.

Depois de se despedir oito vezes e retornar ao palco para cantar mais um pouco, Havens não já tinha esgotado seu repertório, então olhou para a platéia e falou “liberdade não é o que fazem a gente acreditar que é, nós já a temos. Tudo que devemos fazer é exercê-la, e é isso que estamos fazendo bem aqui”. Ele olhou para a colina e começou a tocar algumas notas e logo cantou a famosa palavra “freedom”. Então ele juntou um pedaço de ‘Motherless child’ – canção espiritual norte-americana – com outra que não ouvia há muito tempo.
“I got a telephone in my bosom and I can call it from my heart.
When I need my brother”.

“Brother! Brother! Brother! Brother”!

Foi assim que Richie Havens escreveu seu nome como a primeira apresentação da Feira de Artes e Música Woodstock. O resto é história... Entretanto algumas bandas que poderiam ter feito o show de suas vidas, como o próprio ‘Sweetwater’, ‘Gratefull Dead’, ‘Quil’, ‘Mountain’ e até Janis Joplin e ‘Creedence Clearwater Revival’, acabaram tendo problemas de atraso, técnicos ou físicos, e não fizeram boas apresentações. Enquanto outros artistas como o próprio Havens, Joe Cocker ou Santana, que até então era desconhecido, fizeram a cabeça de meio milhão de pessoas em momentos memoráveis que entraram para a história. Quem viu o documentário sabe o que foi...

Pois essa compilação, abaixo, tenta recuperar esses shows e inclui até gravações raríssimas do palco alternatico, o ‘free-stage’.

The Woodstock Complete
Disc 1

1. Pre-Show Announcements (John Morris, Chip Monck and others) - Fontes: Soundtrack LP, Box Set, Director's Cut, B&W Video, Diary Video
2. John Morris/Richie Havens Intro - Fontes: Film Outtake, B&W Video

Richie Havens
3. High Flyin' Bird - Fonte: Film Outtake
4. Unknown song - Fonte: B&W Video
5. I Can't Make It Anymore - Fonte: Film Outtake
6. With A Little Help From My Friends - Fonte: Film Outtake
7. Strawberry Fields Forever/Hey Jude - Fonte: Film Outtake
8. Handsome Johnny - Fonte: Box Set
9. Freedom - Fonte: Box Set

10. Stage Announcements: Doctor Request, There Goes Marilyn!, - Fonte: Director's Cut
11. Stage Announcements: John Morris Free Festival Speech - Fontes: Director's Cut, Soundtrack LP, B&W Video
12. Swami Satchidananda Speech - Fontes: Director's Cut, B&W Video

Sweetwater
13. Introduction - Fonte: Cycles CD
14. Motherless Child - Fonte: Audience Tape
15. For Pete's Sake - Fonte: B&W Video
16. Day Song - Fonte: B&W Video
17. What's Wrong - Fontes: Cycles CD, B&W Video
18. My Crystal Spider - Fonte: Film Outtake
19. Band Introduction - Fonte: Film Outtake
20. Why Oh Why - Fonte: Film Outtake

Bert Sommer
21. Jennifer - Fonte: Film Outtake
22. America - Fonte: bertsommer.com MP3

Tim Hardin
23. If I Were A Carpenter/John Morris Outro - Fontes: Box Set, Diary Video

Abaixar a parte 1
Abaixar a parte 2

Disc 2
Ravi Shankar

(Fonte: At Woodstock Festival CD)
1. Raga Puriya-Dhanashri/Gat In Sawarital
2. Tabla Solo In Jhaptal
3. Raga Manj Kmahaj

Melanie
4. Beautiful People/John Morris Outro - Fonte: Woodstock Two LP
5. Birthday Of The Sun - Fonte: Film Outtake

Arlo Guthrie
6. John Morris Intro/Coming Into Los Angeles/Lotta Freaks Rap - Fontes: Box Set, Diary Video, Director's Cut
7. Walking Down The Line - Fonte: Box Set
8. Amazing Grace - Fonte: Film Outtake

Abaixar

Disc 3
Joan Baez

1. John Morris/Joan Baez Intro-Joe Hill - Fontes: Woodstock Diary, Director's Cut, Box Set
2. Sweet Sir Galahad - Fonte: Box Set
3. Drug Store Truck Driving Man - Fonte: Box Set
4. Warm And Tender Love - Fonte: Blessed Are Remastered CD
5. Swing Low Sweet Chariot - Fonte: Director's Cut
6. We Shall Overcome - Fonte: Lost Performances Video
7. John Morris End Of Friday Announcement - Fonte: Director's Cut
8. Hugh Romney Rap: The First Free City In The World! - Fontes: Director's Cut, Audience Tape
9. Let's Make It Work! (Tom Law Yoga Classes) - Fontes: Audience tape, Director's Cut
10. They Are With Us! (John Morris US Army Rap) - Fonte: Director's Cut
11. George Broke His Arm - Fonte: Director's Cut
12. John Morris Thanks Abbie - Fonte: Diary Video

Quill
13. John Morris Intro/They Live The Life - Fontes: Diary Video, Audience Tape
14. BBY - Fonte: Audience Tape
15. Waitin' For You - Fontes: Diary Video, Audience Tape

Country Joe McDonald
16. Chip Monck/Country Joe Intro - Fonte: Film Outtake
17. Janis - Fonte: Film Outtake
18. Rockin' All Around The World - Fonte: Film Outtake
19. Flyin' High All Over The World - Fonte: Film Outtake
20. Seen A Rocket - Fonte: Film Outtake
21. Fish Cheer/I-Feel-Like-I'm-Fixing-To-Die-Rag - Fonte: Box Set

Santana
22. Waiting - Fonte: Audience Tape
23. You Just Don't Care - Fonte: Audience Tape
24. Persuasion - Fonte: Viva Santana CD
25. Savor - Fonte: Santana Remastered CD

Abaixar a parte 1
Abaixar a parte 2

Disc 4
Santana

1. Soul Sacrifice - Fonte: Santana Remastered CD
2. Chip Monck Intro/Fried Neckbones - Fonte: Santana Remastered CD
3. Stage announcements buried under dialogue - Fonte: B&W video
4. Chip Monck Announcement-Your Wife Is Having A Baby - Fonte: Director's Cut

John B. Sebastian
5. Chip Monck-John Sebastian Intro/How Have You Been - Fontes: Faithful Virtue Box
6. Rainbows All Over Your Blues - Fonte: Faithful Virtue Box
7. I Had A Dream - Fonte: Faithful Virtue Box
8. Darlin' Be Home Soon- Chip Monck/John B. Sebastian Intro - Fonte: Faithful Virtue Box
9. Younger Generation - Fonte: Faithful Virtue Box
10. Cousin Al Is Sick - Fonte: Audience Tape

Keef Hartley Band
11. Spanish Fly - Fonte: Audience Tape

12. Faint Stage announcements under ISB tuning - Fonte: B&W Video

Incredible String Band
13. Invocation - Fonte: B&W Video
14. The Letter - Fontes: Film Outtake, B&W Video
15. This Moment - Fonte: Film Outtake
16. When You Find Out Who You Are/Chip Monck Outro - Fontes: Film Outtake, Diary Video

Abaixar a parte 1
Abaixar a parte 2

Disc 5
Canned Heat

1. Chip Monck Intro/I'm Her Man - Fontes: Lost Performances Video, Audience Tape
2. Going Up The Country - Fontes: Director's Cut, Soundtrack LP
3. A Change Is Gonna Come/Leaving This Town - Fontes: Audience Tape, Lost Performances Video, Box Set, Film Outtake
4. Roll My Baby (actual title unknown) - Fonte: Audience Tape
5. Woodstock Boogie - Fontes: Diary Video, Woodstock Two LP, Audience Tape
6. On The Road Again - Fonte: Audience Tape

Mountain
7. Chip Monck Intro - Fonte: Woodstock Two
8. Blood Of The Sun - Fonte: Woodstock Two
9. Stormy Monday - Fonte: Soundboard Tape
10. Theme From An Imaginary Western - Fonte: Soundboard Tape
11. Long Red - Fonte: Soundboard Tape
12. Who Am I But You And The Sun (For Yasgur's Farm) - Fonte: Soundboard Tape
13. Beside The Sea - Fonte: Soundboard Tape
14. Waiting To Take You Away - Fonte: Soundboard Tape
15. Dreams Of Milk And Honey - Fonte: B&W Video
16. Southbound Train - Fonte: Film Outtake
17. Unknown

18. Stage Problems Anoucement

Grateful Dead
(Fonte: from original Multitrack Master!!)
19. Ken Babbs/Chip Monck Intro-St. Stephen

Abaixar a parte 1
Abaixar a parte 2

Disc 6
Grateful Dead

1. Mama Tried
2. Equipment Failure And Stage Raps
3. Dark Star
4. High Time
5. Turn On Your Lovelight

Avaixar a parte 1
Abaixar a parte 2

Disc 7
Creedence Clearwater Revival

(Fonte: Soundboard Tape EXCEPT as noted)
1. Chip Monck Intro/Born On The Bayou
2. Green River
3. Ninety-Nine And A Half (Won't Do)
4. Commotion
5. Bootleg
6. Bad Moon Rising
7. Proud Mary
8. I Put A Spell On You
9. Night Time Is The Right Time
10. Keep On Chooglin'
11. Suzy Q

Abaixar

Disc 8
Janis Joplin

(Fonte: Soundboard Tape)
1. Chip Monck Intro/Raise Your Hand
2. As Good As You've Been To This World
3. To Love Somebody
4. Summertime
5. Try (Just A Little Bit Harder)
6. Kosmic Blues
7. Can't Turn You Loose
8. Work Me Lord/Chip Monck Intro
9. Piece Of My Heart
10. Ball and Chain

Abaixar

Disc 9
Sly & The Family Stone

(Fonte: Soundboard Tape From "Down On the Farm" CD)
1. Chip Monck Intro/M’Lady
2. Sing A Simple Song
3. You Can Make It If You Try
4. Everyday People/Dance To The Music
5. Music Lover
6. I Want To Take You Higher
7. Love City NOTE: Edited out mistaken repeat from CD
8. Stand

Abaixar

Disc 10
The Who

(Fonte: Soundboard Tape EXCEPT where noted)
1. Chip Monck Intro/Heaven And Hell
2. I Can't Explain
3. It's A Boy
4. 1921
5. Amazing Journey
6. Sparks
7. Eyesight To The Blind
8. Christmas
9. Acid Queen
10. Pinball Wizard
11. Abbie Hoffmann Incident
12. Fiddle About
13. There's A Doctor I've Found
14. Go To The Mirror Boy
15. Smash The Mirror
16. I'm Free
17. Tommy's Holiday Camp
18. We're Not Gonna Take It
19. See Me Feel Me
20. Summertime Blues
21. Shakin' All Over/Chip Monck Intro/Pete Townshend Intro
22. My Generation-Naked Eye/Chip Monck Outro - Fonte: Soundboard Tape, Soundtrack LP

Abaixar

Disc 11
Jefferson Airplane
1. Doctor Request/Chip Monck Intro/Grace Slick Intro - Fonte: Diary Video
2. The Other Side Of This Life (segments only) - Fonte: Director's Cut, Audience Tape
3. Plastic Fantastic Lover - Fonte: Jefferson Airplane Loves You Box Set
4. Volunteers - Fonte: Box Set
5. Saturday Afternoon/Won't You Try - Fonte: Box Set
6. Eskimo Blue Day - Fonte: Woodstock Two LP
7. Uncle Sam's Blues - Fonte: Box Set
8. Somebody To Love - Fonte: Box Set
9. White Rabbit - Fonte: Box Set

10. Breakfast Time - Fonte: Director's Cut
11. Muskrat Reads The Times - Fonte: Soundtrack LP
12. Taking A Break - Fonte: Soundtrack LP, Diary Video
13. Max Yasgur - Fonte: Director's Cut

Joe Cocker
14. John Morris Intro- Fonte: Diary Video, Box Set, Film Outtake
15. Something's Coming On - Fonte: Acetate
16. Dear Landlord - Fonte: Audience Tape
17. I Shall Be Released - Fonte: Woodstock Diary CD
18. Let's Go Get Stoned - Fonte: Box Set, Film Outtake
19. With A Little Help From My Friends - Fonte: Box Set

Abaixar a parte 1
Abaixar a parte 2

Disc 12
1. No Rain! - Fonte: Director's Cut, Diary Video, Soundtrack LP
2. Stage Announcements/Crowd Rain Chant - Fonte: Director's Cut
3. Let The Sunshine In - Fonte: Woodstock two LP

Country Joe & The Fish
4. Chip Monck Intro/Rock And Soul Music - Fonte: Box Set
5. Thing Called Love - Fonte: Diary Video
6. Not So Sweet Martha Lorraine - Fonte: Film Outtake
7. Chip Monck Intro/Love Machine - Fonte: The Life And Times Of CD
8. Fish Cheer/I-Feel-Like-I'm-Fixing-To-Die-Rag - Fonte: The Life And Times Of CD

Ten Years After
9. I'm Going Home - Fonte: Directors Cut, Soundboard Tape

Abaixar

Disc 13
The Band
(Fonte: Soundboard Tape EXCEPT where noted)
1. Chip Monck Intro/Chest Fever
2. Baby Don't Do It
3. Tears Of Rage
4. We Can Talk
5. Long Black Veil
6. Don't You Tell Henry
7. Ain't No More Cane - Fonte: Acetate
8. This Wheel's On Fire - Fonte: Acetate
9. I Shall Be Released – Fonte: Acetate
10. The Weight - Fonte: Box Set
11. Loving You Is Sweeter Than Ever - Fonte: Box Set

Johnny Winter
12. Mama Talk To Your Daughter - Fonte: Blackstead Tapes MP3
13. Leland Mississipi Blues - Fonte: Blackstead Tapes MP3
14. Mean Town Blues - Fonte: Box Set, Film Outtake

Blood Sweat and Tears
15. Chip Monck Intro/More And More - Fonte: Film Outtake
16. Something's Coming On/More Than You'll Ever Know - Fonte: Film Outtake
17. Spinning Wheel - Fonte: Film Outtake

Abaixar a parte 1
Abaixar a parte 2

Disc 14
Crosby, Stills, Nash & Young

1. Suite Judy Blue Eyes - Fonte: Box Set
2. Blackbird - Fonte: Film Outtake
3. Helplessly Hoping - Fonte: Film Outtake
4. Guinnevere - Fonte: Box Set
5. Marrakesh Express - Fonte: Box Set
6. 4 + 20 - Fonte: Box Set
7. Mr Soul - Fonte: Film Outtake
8. Long Time Gone - Fonte: Film Outtake
9. Sea Of Madness - Fonte: Soundtrack LP
10. Wooden Ships - Fonte: Soundtrack LP
11. Find The Cost Of Freedom - Fonte: Box Set

Abaixar

Disc 15
Paul Butterfield Blues Band

1. All In A Day - Fonte: Blackstead Tapes MP3
2. All My Love Comin' Through To You - Fonte: Film Outtake
3. Drifting Blues - Fonte: Film Outtake
4. Love March - Fonte: Box Set
5. Everything's Gonna Be Alright - Fonte: Woodstock Two LP, Film Outtake

Sha-Na-Na
1. Teen Angel - Fonte: Film Outtake
2. Wipe Out - Fonte: Film Outtake
3. Who Wrote The Book Of Love - Fonte: Film Outtake
4. Duke Of Earl - Fonte: Film Outtake
5. At The Hop/Na Na Theme - Fonte: Soundtrack LP, Box Set

Abaixar

Disc 16
Jimi Hendrix

(Fonte: Soundboard Tape EXCEPT where noted)
1. Stage Announcement - Chip Monck Thanks The Audience
2. Chip Monck Intro/Introduction
3. Message To The Universe
4. Getting My Heart Back Together Again
5. Spanish Castle Magic
6. Red House
7. Master Mind
8. Here Comes Your Lover Man
9. Foxy Lady
10. Jam Back At The House

Abaixar a parte 1
Abaixar a parte 2

Disc 17
Jimi Hendrix

(Fonte: Soundboard Tape EXCEPT where noted)
1. Izabella
2. Gypsy Woman
3. Fire
4. Voodoo Child (slight return)
5. Stepping Stone
6. Star Spangled Banner
7. Purple Haze
8. Woodstock Improvisation
9. Villanova Junction
10. Hey Joe
11. Final Stage Announcements By Chip Monck

Abaixar

Disc 18
1. Walking To The Free Stage
2. Eleanor Rigby
3. I'm Your Dream

(Fontes: Film Outttakes)
4. Richie Havens - With A Little Help From My Friends
5. Country Joe McDonald - I-Feel-Like-I'm-Fixin'-To-Die-Rag
6. Santana - Waiting
7. Santana - You Just Don't Care
8. Santana - Savor
9. Santana - Soul Sacrifice
10. John B. Sebastian - Stage chat
11. Janis Joplin - Raise Your Hand
12. The Who - Heaven And Hell
13. The Who - Naked Eye (end)
14. I Wish I Could Be The Rain (Jerry Garcia and Rosalie Sorrels, in the field behind the main stage, early Friday evening)
15. A Ride To Michigan (Furthur Bus, Saturday afternoon)
16. The Red Shoes (Furthur Bus, Saturday afternoon)

(Versões gravadas em outros festivais ou gravações da audiência)
17. Arlo Guthrie - Coming Into Los Angeles (Fonte: Soundtrack LP - not the version recorded at Woodstock)
18. Mountain - Blood Of The Sun (from the Woodstock Two LP - again, this was not recorded at Woodstock)
19. Mountain - Theme From An Imaginary Western (Woodstock Two LP - ditto. The correct version is in this set)
20. Mountain - Southbound Train (from Woodstock Diary CD. This version uses the backing tracks from the festival with a re-recorded (in 1970) Leslie West vocal. I shudder to think that they erased the lead vocal from the multi-track, but it would seem so)
21. Crosby Stills Nash & Young - Sea Of Madness (though the intro as it appears on the Soundtrack LP is from the festival, the actual song is taken from a show recorded at the Fillmore East in New York on September 20, 1969.

The Backstead Tapes
(As fitas do produtor da trilha-sonora do filme ‘Woodstock’ e do LP ‘Woodstock Two’, Eric Backstead, foram leiloadas e estão disponíveis abaixo)
22. Jimi Hendrix - Voodoo Child (Slight Return)
23. Jimi Hendrix - Stage chat
24. Jimi Hendrix - Getting My Heart Back Together Again
25. Johnny Winter - Mama Talk To Your Daughter
26. Johnny Winter - Leland Mississippi Blues
27. Crosby Stills & Nash - Blackbird
28. The Band - Chest Fever
29. Creedence Clearwater Revival - Born On The Bayou
30. Paul Butterfield Blues Band - All In A Day
31. Country Joe McDonald - I-Feel-Like-I'm-Fixin'-To-Die-Rag
32. Sha Na Na - Wipe Out
33. Joe Cocker - Let's Go Get Stoned
34. The Who - My Generation
35. Janis Joplin - Work Me Lord
36. Janis Joplin – Summertime

Abaixar a parte 1
Abaixar a parte 2

Quero agradecer ao ‘Morcego da Noite’ pela sabedoria, ao ‘Phrock’ pelos links e ao Kenny Sahr pelo ‘Woodstock Project’. E pra quem quiser ver com os próprios olhos? Vai dar uma Arapongada no famoso documentário.

Também quero avisar que existem outros arquivos com esse título – que já foram postados em outros bloguis etc e tal – mas esta compilação é a versão mais atualizada dessa iniciativa.

Mas se você quiser ler um trecho do que foi Woodstock, então vá aqui, e leia o livro de Pete Fornatale, jornalista que entrevistou todo mundo que estava lá e mais um pouco e expôs todos relatos numa narrativa baseada no set list daqueles três dias. Infelizmente não encontrei para baixar em pdf...

Ainda há outro livro sobre Woodstock, que mostra a visão de perto dos bastidores do evento e as conseqüências na comunidade local, Bethel no Estado de Nova Iorque. Essa ficção autobiográfica foi escrita por Elliot Tiber, que mantinha um hotel na área e foi o responsável por levar Woodstock àquela cidade. Essa história virou filme nas mãos de Ang Lee, ‘Taking Woodstock’ e estréia ainda esse ano nos cinemas.

domingo, 23 de agosto de 2009

A CESAR O QUE É DE CESAR DE PAULA

Foi o Cesar de Paula que me procurou. Por conta do blogui, que é bastante acessado, e muitos novos artistas querem uma chance de divulgação na web. A ferramenta dos bloguis é hoje em dia o melhor veículo para bandas e artistas independentes divulgarem seu trabalho e todo mundo sabe disso... Até mesmo as gravadoras! Por isso caem 'uns que tenham' 'sons e outros baratos' por ai...

Na época que recebi o link do disco do Cesar, estava muito ocupado para conseguir auditá-lo e acabei postergando a postagem. Mas chego nessa semana com o som novinho em folha do Cesar de Paula, que tem talento de sobra. Ele mantém o Projecto S.A. em Brasília, enfim Distrito Federal, junto com os músicos Natan Soares, Hamilton Pinheiro, Marcelo Abreu e Beto Almeida.

O som que eles fazem tem uma levada funk, meio bossa nova, meio gafieira, meio samba-rock. Enfim, imperdível! O Cesar, além de professor, filósofo e sociólogo, é músico autoral, um compositor maduro e consciente de seu papel, que é reverenciar os grandes mestres da música popular brasileira sempre mantendo os olhos à frente. Fácil ver, sentir e ouvir as influências na música de Cesar, ainda mais pelo respeito que ele às apresenta.

Daí, o passo seguinte foi manter um diálogo com o Cesar para que ele mostre o que tem na cabeça, nos dedos, na boca e no disco... Enfim, Baixem ai!

Como foi que você percebeu a música ia ser sua profissão? Você exerce outra atividade além da música?

Bom, primeiramente eu nunca pensei a música como profissão, ou como forma de sobrevivência, foi surgindo naturalmente. É aquela velha história, tem certas coisas que você não escolhe, é escolhido por elas. Comigo, e acredito que com muitos artistas, a história foi essa, desde criança algo me impeliu para a música, a composição principalmente. Na verdade convivo com duas paixões, que no fundo são complementares, as letras – leia-se filosofia, ciências sociais e literatura – e a música. Desde muito tempo, antes mesmo da adolescência, principalmente quando conheci a banda ‘The Doors’ e o camarada Jim Morrison, e ele que era letrado, poeta e tal, fui atrás de ler tudo o que ele leu, de Rimbaud, Baudelaire, Antonin Artaud, os beatniks, Blake, Nietzsche etc etc. Então sempre trabalhei conjuntamente às letras e à música, de tal sorte que acabei me formando em filosofia com estudos em sociologia ao tempo que também me dediquei e estudar música, o violão, que é o meu instrumento.

Como eu nunca fui muito fã de covers, sempre gostei de compor minhas próprias canções, então optei por ser professor de filosofia e sociologia enquanto deixo livre meu trabalho musical autoral. Mas não se trata de um hobby, me dedico bastante, invisto na carreira da maneira que posso e vamos seguindo. Confesso que não me preocupo muito no que vai dar. O que me preocupa é se o que eu faço – se minhas canções são significativas, se elas despertam o interesse do público formador de opinião. Muito embora hoje eu tenha maturidade suficiente para saber que as minhas canções são importantes para o cenário da música brasileira, embora não imprescindíveis, porque ninguém é, enfim, tem o seu valor, apesar de não receberem a merecida divulgação neste oceano cibernético.

Atualmente me dedico a pesquisar mais a nossa música, todos aqueles artistas fundamentais, o samba jazz, Noel Rosa, Milton Nascimento, Hermeto, Jorge Ben e tantos outros, a lista é bem grande, mas também o rock, principalmente o inglês. Uma fusão saudável, mas sempre prevalecendo essencialmente a música brasileira.

Quais sãos suas influências?

Então, são tantas que se eu for citar acabo injustiçando alguém. Por outro lado, nem todas as influências, nem todos artistas que gostamos estão diretamente ligados ao trabalho que fazemos. É o caso do Milton Nascimento, que pra mim é um gênio, o maior de todos, que eu acredito que ainda não aparece em minha música, embora no DVD eu compus uma instrumental cujo nome ‘Caxemira e Budapeste’ foi pensada naqueles temas modais que o Milton elabora muito bem, aquelas coisas belas, aqueles solfejos angelicais...

Elaboro uma música sem fronteiras como disse anteriormente, uma música que dialoga com todas as vertentes, o experimentalismo. Posso hoje compor uma canção simples, de melodia agradável, como posso elaborar harmonias pouco convencionais, mas que me agradam também. Como sou um artista independente, tenho a liberdade de fazer o que quero sem me preocupar com este formato padronizado que vigora hoje, esse mais do mesmo...

Outra questão fundamental, super importante, é a preocupação com a letra. Somos herdeiros de uma tradição brasileira de grandes compositores, letristas e poetas. A gente escuta cada coisa por aí, descuidada mesmo, e se esquecem que temos Noel Rosa, Cartola, Vinícius de Morais, Paulo César Pinheiro, Caetano, Chico, Gil, Milton, Ronaldo Bastos, Fernando Brant, Waly Salomão, Arnaldo Antunes, Walter Franco, Leminski etc, todos grandes letristas, poetas de nosso cancioneiro que deveríamos pelo ao menos respeitar. Então quando faço uma música, vou gravar, penso na mensagem também, sem ser panfletária, mas respeitando uma elaboração mais cuidadosa, instigante...

O que você ouve hoje em dia, no player?

Muita coisa, e as vezes nada, passo dias sem ouvir dando um tempo para a audição. Mas vou desde a música instrumental, o jazz, a música brasileira, ‘Gotan Project’, Toninho Horta, Jards Macalé, sempre ouvindo o que o pessoal do nosso tempo vem fazendo, que não é mais que uma releitura moderna do que já fora feita pelos grandes, por Jackson do Pandeiro, por Gonzaga, Jobim, mas que oferecem sim sua contribuição. Também não vou citar porque não seria justo com aqueles que por ventura não entrarem na lista. Hoje temos acesso a tantos arquivos, um acervo riquíssimo que se não fosse a Internet ficaria aí perdido ou restrito aos “escolhidos”... Então eu ouço em detalhes, quando pego um álbum para apreciar, é como um estudo, uma dissecação... Tem muito som bacana, bem elaborado que está fora do mercado, do ‘mainstream’...

Me fala sobre esse Projeto S.A.?

Aqui em Brasília eu formei uma banda chamada ‘Pacheco Fernandes’ (referência à construtora onde ocorreu o episódio dos trabalhadores em 1959, época da construção da capital, que teve uma manifestação trabalhista, uma morte oficial e tantas outras a se averiguar. Vide o ‘Conterrâneos Velhos de Guerra’ do Vladimir Carvalho). Fizemos alguns show na cidade, na Calourada UNB, Semana Universitária da Católica, Espaço Cultural Renato Russo etc, só que no fundo eu era responsável por tudo, pelos shows, pela música. Um dia o bateria, o camarada Marcelo Abreu, que toca comigo e está nesta labuta a tanto tempo, me deu toque, falou pra eu sair em trabalho solo, levar o esquema adiante com outro formato. Foi a partir daí, e isso já tem uns 5 anos, que eu comecei a trabalhar no ‘Projecto S.A.’ (ou ‘S.A.mbalance’), que é minha extensão, extensão do Cesar de Paula, enfim, é a banda que acredita, que leva adiante e oferece seus talentos para que as músicas tenham outras referências e contribuições tão valiosas desses excelentes músicos que me acompanham. Foi também quando eu conheci o talentoso contrabaixista e produtor musical Hamilton Pinheiro, que não só produziu meu primeiro Álbum como agora, bem recentemente, fez a direção musical do show do DVD que gravamos e encontra-se em fase de pós-produção, cujo nome provisório, não sei ainda, então provavelmente se chamará ‘Um labirinto’. Toda essa produção marcou minha entrada para um trabalho mais consistente e profissional.

Quem participou do disco Sambeat?

‘Sambeat’ é uma reunião bacana. Eu sempre tive a idéia de que Brasília deveria se unir mais, parar com esse comportamento do cada um por si. Busquei, dessa forma, reunir figuras, músicos, amigos que significassem um vínculo artístico com a proposta do álbum, mas ao mesmo tempo valorizando o encontro das pessoas, sem, contudo, querer tirar proveito disso, pois que se “a obra é boa não precisa, e se é ruim, não adianta”. Então no CD tem as participações do ‘Móveis Coloniais de Acaju’ (sopros) na faixa que dá nome ao álbum ‘Sambeat’, tem as meninas do ‘Casa de Farinha’ na faixa ‘Fusão Nordestina’, o excelente violonista e professor Paulo André Tavares, o ‘Maracatu Estrela Brilhante de Igarassu’, o grupo de percussão alternativa ‘Som Catado’ (na época com esse nome, porque os caras mudam direto, e aí eu não posso ficar lançando uma nova edição do CD só porque eles resolvem mudar o nome do grupo), Yara Veratto, Wilson Bebel, Rimador Israel e Rafa Black e Sandro Araújo (baterista do Diogo Nogueira), além dos músicos Natan Soares, Hamilton Pinheiro, Ricardo Nakamura e Marcelo Abreu.

No DVD que acabamos de gravar no excelente Teatro SESC Newton Rossi na Ceilândia (DF), formamos uma super banda de 12 músicos com participação da talentosa MC Flora Matos, que está em São Paulo mas que é prata da casa, e dos irmãos Rimador Israel e Rafa Black, molecada do hip hop da Ceilândia. Então tivemos mais uma vez o prazer de compartilhar o palco com Yara Veratto e Larissa Vitorino (backing vocals), Léo Barbosa do ‘Marambaia’ (percussão), Ismael Rattis (percussão), Natan Soares (guitarra), Bety Vinyl (derbak), Hamilton Pinheiro, Marcelo Abreu, Beto Almeida (piano fender rhodes, hammond e teclado), Raido Ratto e a rapaziada dos sopros. Imagine essa galera toda no show, na estrada, complicado...

Para facilitar as coisas, eu tenho alguns formatos de shows, um mais básico e outro mais completo que seria essa formação do DVD. Depende muito da proposta e das condições oferecidas, sabe como é...

Como é que está o cenário da música em Brasília?

O cenário é bom, sempre desponta grupos, músicos e artistas talentosos. O que não é bom é a produção, os espaços. Acredito que tem um certo amadorismo dos produtores locais, não sei, talvez não conheça muito, mas esse pessoal investe no lugar comum, e os artistas talentosos, que tem um trabalho autoral significativo, e até comercial, ficam aí, de porta em porta pra conseguir espaço. Acredito que a cidade tem tudo para despontar, pra fazer parte do “grande eixo”, mas faltam produtores e investidores ousados, criativos para isso. É certo que tem as dificuldades, ninguém consegue sustentar eventos, projetos culturais sem incentivo, sem grana, sem um retorno, além do mais, aqui não existem patrocinadores, então é algo bem amador ainda, eu diria, mas sendo otimista, acredito que tende a melhorar porque a demanda leva a isso. Uma diversidade de produção, o rock, o chorinho, a MPB, o pop, o instrumental. Brasília produz tudo isso muito bem, mas falta o divulgador, o cara que vai promover, fazer a coisa seguir adiante. Se o próprio artista não for o empresário, o produtor, o publicitário de si mesmo, a tendência e ficar na mesma. Então somos de tudo um pouco, artista, empresário, publicitário. Se houvessem pessoas com um olhar mais visionário, um olhar adiante de seu tempo, acredito que o cenário estaria bem melhor. Enfim, não podemos ficar só reclamando, é arregaçar as mangas e correr atrás, principalmente conseguindo espaços fora da capital para que o trabalho, muitas vezes de qualidade, não perca sua força por falta de reconhecimento e visibilidade. Ainda estou batalhando pra isso, fazer com que meu trabalho chegue nas pessoas dentro e fora de Brasília, e estou convicto de que se elas tiverem acesso ficarão deslumbradas com o ‘Projecto S.A.’.

Você tem se beneficiado com a onda de downloads pela internet? Como você tem se preparado para essa nova onda?

Nem é mais nova onda, não é? Já foi! Esse é o esquema! Não tem como fugir... O meu álbum ‘Sambeat’ já está disponível no meu site. Também não acredito que isso atrapalhe a vendagem dos discos, até porque essa não é mais a questão. A visibilidade e a qualidade são o que importa, então ficar nessa briga capitalista das ‘majors’ é nadar contra a maré e diz respeito a um grupo que em nada ajudou o artista brasileiro nos confins desse imenso país. Interessa a eles a manutenção dessa fórmula padronizada, da “regressão da audição” a que se refere Theodor Adorno. Beneficio-me sim, mas ainda é necessário se fazer conhecido para que as pessoas busquem, se interessem e tenham coragem de ousar, de ouvir algo fora do senso comum, então nos shows é o melhor contato, e claro, a Internet é uma aliada indispensável quando utilizada com criatividade, uma ferramenta que aproxima, que estabiliza e oferece condições mais justas para que o artista independente ou de pouca visibilidade tenha o seu lugar ao sol.

2008 Sambeat

1. Ô minha nêga
2. Malandragem brasileira
3. Sambeat
4. Boca da mata
5. Afrobrasileiro
6. A lua e o sol
7. Fusão nordestina
8. Filosofia
9. Berimbau de crioula (Vinheta)
10. Carnaval
11. Falta d’água
12. A morena chegou pra abalar
13. Sambeleza

Abaixar

domingo, 16 de agosto de 2009

O BLUEGRASS BRASILEIRO DE CLAY ROSS

Clay Ross nasceu na Carolina do Sul nos Estados Unidos, começou a tocar guitarra muito cedo aos 10 anos, mas era o heavy metal que o interessava nessa época. Foi na faculdade que se aproximou do jazz, mesmo assim acabou formado em composição clássica. “O jazz, definitivamente, é o centro da minha musicalidade. Para mim, a palavra jazz está viva, muda o tempo todo”, define Ross.

Em 2002, após chegar em Nova Iorque, Ross começou a tocar com músicos que possuíam influência latina e conheceu o tango, música afro-cubana e o chorinho brasileiro. “Me apaixonei pelo chorinho brasileiro, que acabei conhecendo o Scott Kettner, que tem as bandas ‘Nation Beat’ e ‘Maracatu New York’. O que me levou a conhecer também o Cyro Batista”, declara. Batista é um percussionista brasileiro, radicado nos Estados Unidos, que já tocou com gente como Herbie Hancock, David Byrne, Yo-Yo Ma, Paul Simon, entre outros.

A vontade de conhecer mais sobre a música brasileira crescia e levou Ross visitar o país. “Eu vim no Brasil em 2005, para divulgar meu segundo álbum, o ‘The Radom Puller’, e aproveitei muitas rodas de choro no Rio. Também fui no carnaval em Recife tocar com o ‘Nation Beat’ no Festival Porto Musical”, afirma. “Tocar no Brasil, no carnaval de Recife, foi uma das mais incríveis experiências da minha vida. Era um sentimento de todos participando juntos numa única celebração”.

O disco ‘Matuto’ começou a tomar forma nos meses em que Ross aproveitou a agenda de show e conheceu muito da cultura do país. “Eu estive em Recife nos três últimos carnavais, ficando cerca de seis meses em cada vez. Aqui em Nova Iorque existe uma comunidade de ótimos músicos, mas nada se compara a conhecer a música na sua origem”. Com o álbum, recém-lançado, Ross criou uma mistura entre o velho-oeste norte-americano e sertão brasileiro, sem parecer artificial, como bem reconhece Hugo Montarroyos no ‘Recife Rock’. Com isso, Ross criou o que chama carinhosamente de 'bluegrass brasileiro', em referência ao gênero tradicional norte-americano misturado com os ritmos nordestinos.

Por isso procurei o Clay Ross – pelo MySpace claro – com a intenção de fazer o que seria a primeira entrevista internacional deste blogui. Também perguntei se poderia disponibilizar o disco para download. “Adoraria responder à entrevista e colaborar com o que for necessário para promover minha música no Brasil”, completa Ross. Após essa afirmação, que mais parece uma intimação, enviei um e-mail para ele com algumas questões e ponto final.

Que sons você anda escutando?
Hoje em dia estou escutando muitos sons que encontro durante minhas turnês. Neste verão eu toquei em vários festivais na América do Norte e na Europa e escutei muitas bandas diferentes, de que gostei muito. Na cena norte-americana de música de raiz conheci uma banda chamada Kruger Brothers, que tem um tocador de banjo que é incrível. Em Sines, Portugal, eu toquei no FMM, o festival de música do mundo, e foi maravilhoso. Um dos grupos que curti muito foi o 'Alamaailman Varasat' da Finlândia. Eles são uma banda de heavy metal muito maluca que usa violoncelos e sopros com distorções interessantes. Além disso, também estou ouvindo muito os artistas contemporâneos.

Como você vê o mercado musical atualmente?
Eu acho que vivemos atualmente num tempo muito excitante em relação à tecnologia e disseminação da propriedade intelectual. Eu mesmo nunca estive no meio musical tempo suficiente para ter experimentado a venda massiva dos discos e seus lucros exorbitantes. A realidade atual é muito mais modesta que isso, para o artista contemporâneo. Minha escolha óbvia é ser otimista com essa situação. Nós estamos, atualmente, lançando meu álbum naquele sistema de “pague quanto quiser” (que o Radiohead utilizou para vendar o disco ‘In Rainbows’) pelo download. Também estamos oferecendo diferentes formatos de CDs físicos, incluindo CDs autografados entre outras opções de compra para os interessados, aqui ou aqui.

Ultimamente, o mercado musical não tem funcionado. Os artistas estão sendo forçados a encontrar novos meios de ganhar dinheiro com seu produto. Eu vejo o meu disco como uma ferramenta promocional para meus concertos e tudo aquilo que posso oferecer com minha performance ao vivo. Quero que meus álbuns sejam apreciados, mas sou um artista que gosta de estar em turnês. Por isso acredito que se as pessoas gostam do disco, vão querer ver o show ao vivo. O mundo sempre vai precisar de músicos que criem canções, o resto é apenas detalhe.

Tem planos de voltar a tocar no Brasil?
Estou torcendo retornar para o Brasil em 2010. E por favor me avise se puder (ou puderem) ajudar a promover algumas novas oportunidades de tocar no país, pois adoro o Brasil.

Obrigado de novo,
Clay Ross

Eu que agradeço, e também ao 'colega' Victor de Almeida, d'O Jornal', pelas aspas... Segue o disco para apreciação. Ouçam também no player ao lado, na Rádio EuOvo.

2009 Matuto

1. Recife
2. What a day
3. Remember Calabash
4. Banks of the Ohio
5. Zydaco mondo
6. Church street blues
7. Maria's lullaby
8. Home sweet home
9. John the revelator
10. Dream of life
11. Feel like a song (feat. Cyro Baptista)

Abaixar

domingo, 9 de agosto de 2009

QUEM NÃO QUEBRAR A PEDRA TAMBÉM VAI ROLAR

Quebrapedra’ é uma banda formada por Leonora Weissmann na voz; Rafael Martini no Piano, voz e violão de 12 cordas; Pedro Maglioni no baixo elétrico e acústico; Edson Fernando na bateria, percussão, vibrafone e stell drums; e Mateus Oliveira também na Bateria, percussão, vibrafone e marimba.

Essa banda começou tocando versões de Tom Jobim e Milton Nascimento, no bares da vida de de Belo Horizonte. Portanto é muito natural que suas canções tenham forte influência desses dois compositores. Pois esse é o novo som de Minas Gerais – jovem e sinuoso – como os instrumentistas responsáveis pelas nuances e composições.

Com uma estréia segura e madura, o ‘Quebrapedra’ deixa a impressão que têm anos-luz de estrada (a banda começou em 2001). As letras e canções deixam a certeza de que há uma cena musical fervilhante na capital mineira. Pois foi com essa idéia que convidei o Rafael pra deixa o piano de lado e falar um pouco sobre a banda, o disco e tudo mais.

O Clube da Esquina é influência forte nas composições de vocês? Tom Jobim também?
Acredito que quando se compõe, geralmente é ativado um tipo de pensamento associativo que vai agregando tudo o que já foi ouvido, conscientemente ou não... Nesse sentido, mesmo um tipo de música que o compositor não inclui dentro de suas preferências pode estar atuando como influência na sua música. No caso do ‘Quebrapedra’, o Milton Nascimento (bem mais que o ‘Clube da Esquina’ como um todo) e o Tom Jobim exercem uma influência que se faz consciente, mas ao mesmo tempo essa influência vem de um modo inconsciente também, pois as músicas deles já têm uma marca muito profunda em nós e quase fazem parte da nossa constituição física! Mas acontece que o que mais nos influencia é a música do nosso tempo, feita agora em Belo Horizonte, São Paulo, Recife, São Luiz, Romênia, Canadá, EUA, Islândia etc etc etc. É ela que bate no ouvido e move uma vontade de devolver a inspiração, fazer uma outra música que dialoga com ela e leva a ‘conversa’ pra frente!

Quem é que compõe as músicas? E as letras?
A maioria das músicas são minhas com letra da nossa cantora, a Leonora Weissmann. Mas como sempre tivemos essa curtição de fazer versões de músicas de outros compositores, gostamos de manter isso fazendo arranjos para músicas de compositores daqui de BH, que são companheiros de cena e fortes influências na nossa maneira de compor também. No disco, além das composições próprias gravamos músicas do Kristoff Silva, do Makely Ka, do Antonio Loureiro, do Dudu Nicácio, do Felipe José e do Renato Motha, além de uma inserção de ‘Equilibrista’ do Egberto Gismonti, que fica ‘habitando’ o arranjo da música ‘Santo Forte’, que é do Kristoff e do Makely. Esses compositores pertencem a uma nova safra de cancionistas, muito prolífica de Belo Horizonte e que engloba muitas outras pessoas e tem chegado sempre gente nova pra fazer parte desse ‘coro’.

Sendo uma música sinuosa e quase instrumental... Como é a receptividade do público nos shows?
A receptividade é sempre muito boa! De vez em quando é engraçado ver que mesmo com melodias não muito convencionais, tem algumas músicas que grudam na cabeça, como se tivesse aquela melodia mais chiclete, sabe? Acho que a sinuosidade e a não-obviedade melódica nunca foi empecilho pra comunicação, vide o Milton Nascimento e a Bjork!

Vocês têm uma pegada de 'música clássica popular brasileira', o ‘Graveola’ também... Isso foi proposital? Quase como um movimento de bandas, com influências parecidas e idéias similares... É como o 'mangue-bit', só que de Minas?
Não é nada convencionado, com manifesto pregando preceitos estéticos e estilísticos, nada disso... Mas há com certeza uma convergência de cada vez mais pessoas compondo e compartilhando e trocando essas novas músicas e idéias. Acho que a maior ligação é a busca por novidade, o que é engraçado pois parece contrastar justamente com essa leitura que você faz da nossa ‘pegada’. O ‘Graveola’, assim como o ‘Quebrapedra’, tem influências muito diversificadas a ponto delas se amalgamarem numa música que fica fora da mira de um rótulo, pelo menos de um rótulo à maneira ‘midiática-mastigadinha’ que o jornalismo cultural tanto gosta. Há uma Minas Gerais que faz música agora, para o seu tempo e fruto dele. Acho que um manifesto de um movimento possível que sintetizaria esse novo anseio por uma música nova é o que o nosso compositor, letrista e escritor Makely Ka postou no ‘Overmundo’ e está gerando uma longa discussão sobre o assunto.

Existem outras bandas que poderiam integrar esse trem-mineiro? Como é a cena de BH? Existem muitos lugares para tocar na cidade? Muitas tribos, curtindo diferentes estilos de músicas?
Existem muitas bandas e artistas que estão mostrando a cara e desenvolvendo linguagens próprias e mais ou menos correspondentes: grupos e artistas da canção, da música instrumental, do rock... ‘Graveola e o Lixo Polifônico’ (para baixar o disco clique aqui), Kristoff Silva, ‘Transmissor’, ‘Pablo Castro, Mestre Jonas, Makely Ka, Pedro Morais, Antonio Loureiro, Alexandre Andrés, ‘Ramo’, ‘The Dead Lovers Twisted Heart’, ‘Misturada Orquestra’, Fernando Sodré, ‘Diapasão’, ‘Madeirame’, Mariana Nunes, Vitor Santana, ‘Prucututrá’, ‘Leopoldina’, e por aí vai... Temos eventos e espaços muito interessantes como o ‘Verão Arte Contemporânea’, os festivais de inverno, o ‘Projeto Música Independente’, mas o que mais vejo são os artistas produzindo e cavando seus próprios espaços, alugando teatro, tocando em bares... Mas sinto que o público de BH ainda faz parte da cultura do boteco (os que não tem música ao vivo) e a mídia ‘oficial’ ainda não se deu conta realmente da explosão que esses artistas estão promovendo contra a cultura do mais do mesmo, do ‘cover’, do voz e violão de barzinho, da música estritamente acessória.

Como vocês lidam com essa 'nova ordem mundial' de downloads gratuitos?
Acredito que esse seja o real canal de comunicação e disseminação de informação de hoje. O que há de realmente novo e verdadeiro tem muito mais chance de ser encontrado na rede do que nos meios tradicionais de comunicação (jornais, revistas, TV e rádios) onde a publicidade e a grana são o que importam. O download gratuito é a melhor estratégia de distribuição de discos que pode existir, pois ele faz com que o CD chegue em qualquer lugar do globo com acesso à internet e como o disco tem como principal função representar o artista, essa é a realização de seu objetivo primeiro. Outra coisa maravilhosa da disponibilização por download é que, uma vez que você joga no mundo uma coisa, você nunca imagina o que o mundo pode te devolver!

Você vê algum futuro para a indústria musical? Com venda de CDs, mp3 ou música de graça?
A indústria musical está fadada ao fracasso, a curto ou médio prazo... Já o mercado musical tem que começar a lidar com escalas menos industriais. A venda de CD`s há muito tempo não é bom negócio pra quase ninguém. A venda de mp3`s é um correlato que pode ainda se desenvolver, mas penso que é difícil se estabelecer, pois é muito difícil regular o comércio de algo intangível. Penso que, paradoxalmente ao avanço tecnológico e à mudança de paradigmas vertiginosa que vivemos, estamos tendendo a voltar a dar mais valor à música feita ‘in loco’ – ao vivo! Sinto que as pessoas que antes faziam parte da indústria musical, começam a se voltar para o crescente movimento das feiras, congressos e festivais que comercializam música ao vivo. É isso que sempre moveu qualquer músico – tocar!

Quais são os planos da banda? Digo, existem shows marcados, estratégias de lançamento, participação em feiras etc?
No momento não temos shows marcados, mas estamos trabalhando na estratégia de lançamento do disco na internet e fazendo contatos para shows em Minas e outros estados, ao lado de outros grupos daqui e de fora.

2008 Quebrapedra

1. Além mar
2. Abacate
3. Santo forte (Equilibrista)
4. A roda
5. Roda gigante
6. Nem ao menos uma flor
7. Breve
8. Samba no ponto
9. Em todo caso
10. Impagável
11. Presença
12. Firmamento

domingo, 2 de agosto de 2009

O SAMBA-ROCK DO THIAGO CORREA

Thiago Corrêa é o número Um. Ele tanto fez que conseguiu o remix mais votado no site da cantora norte-americana Lily Allen. Já há algum tempo ele vinha postando – uma vez por semana – versões samba-rock de clássicos da música internacional.

Tudo começou devagarinho com uma estratégia de marketing para movimentar o seu blogui. Versões em samba-rock de clássicos como ‘Oompa Loompa song’, abertura dos ‘Simpsons’ e até ‘Santa Claus is coming to town’ caíram no gosto dos internautas. Que aumentaram consideravelmente o mailing desse cantor paulista radicado em Porto Alegre. Eu, que não costumo seguir feed, RSS ou twitter de ninguém, recebo toda semana um e-mail com o mais novo remix do ‘Projeto Outra Mùsica’.

Vez em quando, Thiago ainda achava algumas faixas abertas – todos canais abertos possibilitam nova remixagem – de músicas conhecidas. A primeira foi a Fergie com ‘Fergielicious’, depois Britney Spears e sua ‘Toxic’, Marvin Gaye com ‘Sexual Healing’. O negócio começou a ficar sério com ‘ABC’ dos Jackson 5 e no dueto Correa e Tammi Terrel em ‘Ain’t no mountain is high enough’. Mas foi com a versão de ‘Knock em out’ de Lily Allen, que ele chegou ao topo da lista no site da cantora, que faz uma espécie de votação dos melhores remixes.

Thiago, por trabalhar no ‘metier’ da publicidade, tem um marketing agressivo, e por isso o resultado da votação no site da Lily Allen não podia ter outro resultado. Eu confesso que votei pra ele no site. Mas fica difícil não votar, porque ele te dá tudo de mão beijada. Os links nos e-mails... Só falta colocar o número celular... Mas não ligue pra ele, porque ele vai te colocar na lista de contatos SMS, para avisar dos shows com antecedência e eficiência. Esses adjetivos acompanham Thiago na carreira autoral, porque não há uma só pessoa que após escutar suas versões samba-rock, não fique curiosa em ouvir as composições desse multi-facetado artista.


Como o próprio Thiago costuma afirmar, esse projeto sempre teve o intuito de fazer com que sua música fosse ouvida. Se isso não é uma estratégia fenomenal... Não sei o que é... Aí está um artista dos novos tempos, onde os downloads gratuitos funcionam como ferramentas de divulgação. Com toda essa ferveção online, Thiago conseguiu assinar com uma gravadora de Londres, a Curve Music.

Por tudo isso, convidei ele pra vir aqui no blogui e contar um pouco de sua trajetória. E antes de mais nada, o disco dele, ‘A Grande Preocupação’ está ai embaixo para download e na rádio ao lado estão algumas canções do ‘Projeto Outra Música’. O próprio Thiago explica nessa entrevista como baixar essas versões em samba-rock.


Como começou essa idéia de ser músico?
Comecei com 8 anos a tocar violão clássico, depois fui parar em festivais e mais tarde como produtor, arranjador, cantor e locutor no mercado publicitário.

Você vive de música? Ou tem alguma atividade paralela?
A atividade paralela é a música publicitária. Canto e arranjo jingles, mas só de vez em quando.

Como surgiu essa paixão pelo samba-rock? Ainda mais você vivendo em Porto Alegre, onde há uma cena forte de rock gaúcho...
Curto samba-rock desde criança, meus vizinhos tinham uma banda e tocavam muito Dema, Bebeto e Bedeu. Depois eu vi que se eu quisesse ir para fora o Brasil, a minha carta na manga seria a cultura Brasileira. A cena rock de Porto Alegre nunca me influenciou, pois acredito que a maioria parou no tempo. Muitos não curtem a música rock mas sim o lifestyle rock, aquela coisa de andar por aí com garrafa de vinho na mão e ser rockstar (sexo, drogas e rock’n’roll). Pra mim esse tempo passou.

Existe uma cena de samba-rock em Porto Alegre?
Aqui tem a ‘Família Sarara’, mas eles misturam um pouco de reggae, o ‘Projeto Ziriguidum’, ‘Projeto Pente Fino’, ‘Zumbira e os Palmares’. Pelo menos são esses que eu ouvi falar aqui na cidade.

Você acha que existe um futuro para o artista ganhar dinheiro com a venda de discos?
Com a venda de discos não, mas com a venda de download sim... Recentemente li um livro chamado ‘A cauda longa’ que fala dessas mudanças no mercado. Eu, pessoalmente, tô otimista. Posso fazer tudo por mim mesmo, diminuíram os atravessadores, aqueles que ficavam entre o artista e o público final. Se você quiser compra o meu mp3 é só comprar direto no meu site. O que mudará é que os artistas terão que entender mais de marketing e comunicação.

Quais são seus planos no futuro?
Espero ainda me tornar referencia do gênero samba-rock e entrar para o grupo dos consagrados como Clube do Balanço, Jorge Ben etc. Pelo menos é pra isso que eu tô trabalhando. Tô indo pra Londres dia 11 de agosto. Já tenho um show marcado em Londres, no Guanabara! Quero transmitir ele ao vivo no meu MySpace, mas eu aviso mais perto da data!

E como é que as pessoas baixam essas versões do ‘Projeto Outra Música’?
Faz o cadastro lá no site ou envia uma email para euquero@thiagocorrea.com que automaticamente você receberá os links para download de todas as músicas produzidas até o momento! Legal, né? E tenho um pedido pros seus ‘ovintes’: Queria mostrar lá em Londres que o pessoal do samba-rock no Brasil é muito forte... Então eu peço que acessem meu MySpace e façam o cadastro lá também!
Abração,
Thiago Corrêa

2008 A Grande Preocupação

1. A grande preocupação
2. Juninho
3. Nadine
4. Novos rebeldes
5. Cara casado
6. Charme
7. Zé ninguém
8. Dalai Lama
9. Eu faço o que posso
10. Tudo bem
11. Pelas calçadas
12. Charme remix

Abaixar
ou
Abaixar pelo site dele