domingo, 10 de abril de 2011

SOBRADO 112 NO PAÍS DA VITROLA ADUBADA


O Sobrado 112 é uma banda que não se repetiu em nenhum dos três CDs, gravados e já lançados.

Em 2007/2008 a banda estreou com ‘Demanche’, um álbum que fazia um som que trafegava entre o jazz-fusion e o popular. Tinha até participação especial de Aldir Blanc em ‘Acionista da boemia’.

Em 2009, foi a vez do álbum ‘Isso Nunca me Aconteceu Hoje’, onde o som estava mais pro samba e rock, com pitadas de afrobeat. Os vocais são muito mais coletivos, do que antes, como é ouvido em ‘Eu não quero ter razão’. O disco tem muito mais suingue, muito mais groove, mais instrumentos, mais banda, mais tudo. E também tem a produção do BiD.

Nesse terceiro álbum – este que pode ser considerado o ‘Let it Be’ da banda, já que foi gravado antes do ‘Isso Nunca me Aconteceu Hoje’, mas foi lançado apenas agora com um ano de diferença – ‘Sobrado 112 no País da Skapolca’ tem uma pegada muito mais reggae e ska e rocksteady, sem deixar o rock de lado. Não cabem mais brincadeiras através de letras bem humoradas e parcimoniosas, já que todas as faixas são instrumentais, mas cabe a produção caprichosa de Buguinha Dub, incluindo um remix dele próprio.




O disco abre com uma levada dureza como ‘Carne de pescoço’ e segue com a sensual e divertida ‘Eu e minha amada no Grajaú’, que até pode ser considerada uma continuação não-oficial para a faixa ‘Grajaú’, presente no segundo disco da banda, em que cantavam “eu e tu lá no Grajaú, sem tu-tu para o buzu” – esse bairro é quase uma fixação ou uma obsessão – vão tomar no Grajaú!!!

O disco segue com ‘Dub’, que o nome já diz tudo, e até recebeu um remix de Buguinha Dub no final do disco. A seguinte é ‘Maldição da caveira’, um rockezão forte e firme com a guitarra mais pesada que já ouvi o Vitinho Gottardi levar. Depois, ‘Skapolca rocksteady’, que o nome também já diz o que é, mas tem todo o clima de um Sobrado construído por Buguinha.

‘Simérius Conan’ havia sido bônus no segundo disco e aqui ela ficou como a homenagem a um velho-camarada da banda – a quem todos chamavam carinhosamente de Conan, o Simério. O álbum encerra com o remix de ‘Dub’, o bônus remix do Buguinha, que também participa dos shows de lançamento do disco.




2011 Sobrado 112 no País da Skapolca

1. Carne de pescoço
2. Eu eminha amada no Grajaú
3. Dub
4. Maldição da caveira
5. Skapolca rocksteady
6. Simérius Conan
7. Dub (Buguinha Dub remix)

3 comentários:

Tiê disse...

bomdimai viu sr. bruno. curta e eficiente a bolacha descrita. pena que num tive tempo pra fazer um release ou inxertar o release da marina la na traficoland.

esse rapaz do trompete ta destruindo...

Doutor Sujeira disse...

Opa! Vim dar um alô e convidar vc e seus leitores a dar uma olhadinha no meu blog http://doutorsujeira.blogspot.com

Não é exclusivo de música, mas tem muita música tb. Seu site tá no meu blogroll. Abraço
fontinatti

MBohlhalter disse...

Buenas rapaziada!!

Esse Sobrado 112 é mesmo surpreendente, eu já havia ouvido trabalhos anteriores, tinha uma pegada meio samba... esse novo tá completamente groove.. Muito, muito bom mesmo, parabéns aos caras, parabéns ao blog Brunão!!