SALVE EUOVO!!!

Sempre houve a intenção de transformar o blogui em site, rádio on-line e tudo mais. Mas para esta tarefa é necessário suporte financeiro.

Para isso o blogui abre esta campanha de financiamento colaborativo que vai garantir a manutenção e quiçá sua transformação em site etc.

Sua contribuição vai ajudar a manter postagens semanais sobre os mais variados artistas com álbuns em download gratuito, dicas sobre discos a baixar, podcasts, novos lançamentos em streaming, retrospectivas e listas de melhores discos de cada ano – incluíndo listas de melhores álbuns dos anos passados como por exemplo 1964, 1999, 1986, 1971 entre outros anos.

Por isso o blogui encerra este período de hiato na esperança de alcançar o aporte financeiro necessário para dar continuação aos trabalhos por mais um ano.

Então para manter o blogui ativo... Siga o site vakinha e contribua neste processo.

Quando atingirmos a meta... Vamos dobrar a meta... E ai quem sabe? Venha um site... Uma radio on-line... Canal no youtube... E tudo mais... Valeu!!!

sábado, 27 de setembro de 2008

...WITH A POCKETFULL OF STONES

O disco ao vivo de David Gilmour tem o último registro de Richard Wright tocando e cantando um dos clássicos do Pink Floyd.

Gilmour apresentou um set muito parecido com o de seu DVD ‘Remember that Night’. O disco começa com quatro canções do ‘Dark Side of the Moon’, ‘Speak to me’, ‘Breathe’, ‘Time’ e ‘Breathe (Reprise)’. Após os clássicos, ele toca inteiramente, e na ordem das faixas, seu último disco de estúdio, ‘On na Island’.

Depois disso tudo, Gilmour ainda apresenta vários clássicos do Pink Floyd, como ‘Shine on your crazy diamond’ e ‘Wish you Were Here’ do disco homônimo, ‘Fat old sun’ do ‘Atom Heart Mother’, ‘Echoes’ do ‘Meddley’, ‘A great day for freedom’ e ‘High hopes’ do ‘Division Bell’, ‘Astronomy dominé’ do ‘Piper at the Gates of Dawn’ e ‘Confortably numb’ do classico ‘The Wall’, está é a faixa cantada por Richard Wright.

O disco de estúdio de Gilmour é maravilhoso, e ainda bem que é tocado do início ao fim nessa turnê de Gilmour, pois começa com a suíte ‘On na Island’, com a introdução ‘Castellorizon’. É uma suíte fenomenal, e que começo perfeito para um álbum, que para mim, pode figurar entre os 10 mellhores inícios de álbuns de todos os tempos.

‘The blue’ é uma continuação perfeita. Porque após a suíte ‘On na island’ somo emergidos nesse imenso azul que o Gilmour nos demonstra com perfeição. O disco de estúdio continua com a ‘Red sky at night’, na qual Gilmour toca saxophone e descamba para a maravilhosa participação de Robert Wyatt no trompete em ‘When I close my eyes’. Antes disso temos ‘The heaven’ que lembra um pouco as canções do último disco de estúdio do Pink Floyd. Nos shows Gilmour tem grandes músicos tocando saxofone e trompete.

‘Smile’ é a canção do amor perfeito e é uma perfeita canção de amor. A letra é magnífica e tem muita poesia quando ele declama a intenção de “encontrar o caminho para casa no seu sorriso” (to find my way home to your smile). A poesia é de Polly Samson, esposa e companheira de David Gilmour. ‘Take a breath’ é outra que poderia figurar no ‘Division Bell’, o que nos leva a crer que o último disco do Pink Floyd foi na verdade um ótimo disco solo do Gilmour, com participações mais que especiais de Richard Wright e Mick Mason.

Em ‘A pocketfull of stones, o lirismo de Polly vem a tona. Que assobio! Que fábula! Que letra maravilhosa! Polly realmente construiu uma poesia lírica sobre como você deve aproveitar a vida antes que você fique com “o bolso cheio de pedras” (the pocketfull of stones).

Claro que o final do disco ‘On an Island’ não poderia ser mais perfeito com ‘Where we start’. ‘On an Island’ realmente deve ser tocado na ordem do disco e o disco funciona como um todo. Por isso mesmo que Gilmour toca esse disco inteiro na sua última turnê.

Mas o disco ao vivo de Gilmour não acaba por ai, já que após a audição completa de seu último disco de estúdio, o ouvinte ainda pode curtir clássicos de sua carreira.

David Gilmour é um guitarrista único, e toda a discussão sobre quando o Pink Floyd era melhor, com Barret ou Gillmour, eu respondo que eram dois Floyds diferentes. Gilmour inclusive chegou a tocar com Barret, quando o ‘diamante louco’ não parava de tocar a mesma nota durante os shows.

Gillmour é um guitarrista que criou o próprio estilo de tocar o instrumento. Você ouve a primeira nota de sua guitarra e tem certeza absoluta que ele tocando o instrumento. Poucos guitarristas têm esse dom, e o Sr. Gilmour, definitivamente, possui.

Esse disco ao vivo, é lançado agora em setembro, após a morte do Richard Wright, e fica quase como um tributo ao tecladista, compositor e um dos fundadores do Pink Floyd.

O álbum foi gravado em 2006, em Gdansk, na Polônia, e foi o último show da turnê de David Gilmour.

2008 Live in Gdansk

Disc 1

1. Speak to me
2. Breathe (In the air)
3. Time
4. Breathe (In the air) (Reprise)
5. Castellorizon
6. On an island
7. The blue
8. Red sky at night
9. This heaven
10. Then I close my eyes
11. Smile
12. Take a breath
13. A pocketfull of stones
14. Where we start


1. Shine on you cazy diamond
2. Astronomy dominé
3. Fat old sun
4. High hopes
5. Echoes
6. Wish you were here
7. A great day for freedom
8. Comfortably numb (Feat. Richard Wright)

Abaixa Aqui no Eu Ovo o disco 2

Ou vai lá no Cordas, Bandas & Metais, mas nesse link não tem o encarte... O encarte está no link do disco 1 (em caso de interesse apenas no encarte) - ou então quem quiser pode pegar direto lá no Mega-Search.

6 comentários:

Fábio Camelo disse...

Ótima matéria.
Gilmour está numa fase muito inspirada mesmo e On an Insland é, sem dúvida, o melhor disco de sua carreira solo.

Foi surpreendente pra mim saber que ele gravou o sax em Red sky at Nigh (só soube quando assisti o Remenber That Nigth), mesmo sabendo que ele é um multi-instrumentista. Pooo, mas ele tocou tão bem que nem parecia que eram as mãos de um guitarrista calejado que estavam nas palhetas do sax.

Já encomendei o Live in Gdansk e estou ansioso para assistir esse show. Relembrando a turnê do The Wall, única vez que os Floyds tocaram com uma orquestra.

Eu Ovo disse...

Falou e disse, Fabio.
Eu realmente sinto que a apresentação no live 8 tenha sido a última vez que os floyds tocaram juntos.
agora é definitivo - que nunca mais haverá uma reunião. Nem outra turnê etc e tal.
mas bem que o gilmour podia vir ao brasil pelo menos uma vez...

Anônimo disse...

Matéria muito boa e pink floyd e gilmour são sempre bem vindos, o rock perdeu Richard Wright mas ele será lembrado por trabalhos excelentes como nesse dvd. gostaria de pedir uma matéria com o The Baggios uma banda brasileira muito boa q acho q daria uma boa matéria no eu ovo. no profile deles no last.fm tem o album deles pra baixar http://www.last.fm/music/The+Baggios

Daniel Argentino disse...

Ouvi e gostei. Queria saber se você poderia ceder algumas partes da analise para quando eu for postar no meu blog? (Jazz e Rock)

O album ta excelente. Muito bom mesmo.

vlww pela postagem

Abraço

Eu Ovo disse...

Claro Daniel,
é so dar o crédito e mandar ver no ctrl+c e ctrl+v.
abs

Daniel Argentino disse...

Valeu mesmo brother. Depois vou fazer uma postagem no meu blog e colocarei creditos sim.

Nunca é demais pedir autorização né hehehe..

Vlww