SALVE EUOVO!!!

Sempre houve a intenção de transformar o blogui em site, rádio on-line e tudo mais. Mas para esta tarefa é necessário suporte financeiro.

Para isso o blogui abre esta campanha de financiamento colaborativo que vai garantir a manutenção e quiçá sua transformação em site etc.

Sua contribuição vai ajudar a manter postagens semanais sobre os mais variados artistas com álbuns em download gratuito, dicas sobre discos a baixar, podcasts, novos lançamentos em streaming, retrospectivas e listas de melhores discos de cada ano – incluíndo listas de melhores álbuns dos anos passados como por exemplo 1964, 1999, 1986, 1971 entre outros anos.

Por isso o blogui encerra este período de hiato na esperança de alcançar o aporte financeiro necessário para dar continuação aos trabalhos por mais um ano.

Então para manter o blogui ativo... Siga o site vakinha e contribua neste processo.

Quando atingirmos a meta... Vamos dobrar a meta... E ai quem sabe? Venha um site... Uma radio on-line... Canal no youtube... E tudo mais... Valeu!!!

sábado, 13 de setembro de 2008

O AFROBEAT PARAIBANO DO BURRO QUE MORREU!

Parem tudo que estão fazendo! Outro dia eu tava tomando umas cachaças e ouvindo um som maneiro com o Sr. R.B.. Você viu isso R.B.? É Rhythm’Blues! E foi bem o Sr. Rhythm’Blues que olhou para a pista com um sorriso malicioso e aplicou o afrobeat paraibano do Burro Morto. Fudeu! Caraleo! Putamerda!

Esse Burro Morto surgiu em João Pessoa, quando um grupo de amigos montou um coletivo musical, com Haley ‘King Size Paper’ no microkorg e escaleta, ‘Big’ Daniel Jesi no contrabaixo, Nacho Gonçalves na percussão, Ruy José na bateria e Léo Marinho na guitarra.

O som do Burro Morto é pedrada na orelha e para mim um dos melhores sons que ouvi nesse ano. Se você gosta de um bom afrobeat, com Fela Kuti ou Tony Allen, você não vai se arrepender.

Então eu peguei o disco com o Sr. Rhythm’Blues, e procurei o Haley pelo myspace, que respondeu prontamente as perguntas em nome de toda a galera do Burro, que morreu de....

Eu Ovo: Como surgiu o Burro Morto? Como você se conheceram?

Haley: O burro morto era projeto paralelo de todos nós, até que todo mundo ficou sem banda principal e começamos a nos envolver de fato com essa proposta. Nós nos conhecemos através do estúdio e das noitadas. Além de fazermos parte da mesma confraria de malucos, junkies e boêmios da cidade, nós ensaiávamos, com projetos diferentes, no mesmo estúdio. Com o fim dessas bandas, e como nós já estávamos tirando um som juntos, resolvemos gravar essas jams e produzirmos o disco. A banda surge aí. Em agosto do ano passado lançamos o primeiro material, "Pousada Bar", que é o nome de um cabaré localizado bem próximo ao nosso estúdio. Esse disco é na verdade a semente do que estamos lançando agora, um ano depois, o "Varadouro". O Pousada Bar são algumas bases desse disco novo, são as músicas nuas e cruas, como vieram ao mundo. Ainda em clima de jam sessions. Já o "Varadouro", além das 4 músicas do primeiro EP regravadas, reeditadas e com a mixagem definitiva, conta com mais 3 músicas inéditas e inaugura a nossa formação atual.

EO: Quais são as influências de vocês?

H: A gente gosta da música da Africa, da Jamaica, do Brasil... O som do terceiro mundo é foda. Coisas como afrobeat, dub, reggae, funk e jazz etíope, por exemplo. Gostamos também de rock..n..roll, coisas antigas de rock progressivo e psicodélico, como King Crimson, Pink floyd, Santana. E tem umas coisas contemporâneas também, como The Mars Volta e umas bandas de afrobeat dos Estados Unidos, Antibalas, The Budos Band e Nomo. Do Brasil gostamos dos malucos dos anos 60/70, do som que foi feito nessa época no Nordeste, Novos Baianos, Zé Ramalho, Alceu Valença, Tom Zé, etc. Tem um grupo daqui chamado Jaguaribe Carne, que vai além da música. Eles são guerrilheiros culturais, trabalham com música livre e desde os anos 70 fazem o som mais vanguardista do mundo. Gostamos também da Nação Zumbi e dos projetos paralelos deles. São nossos vizinhos, enfrentaram a mesma babilônia que a gente enfrenta e hoje são a maior banda do Brasil no
segmento deles.

EO: De quem são as composições? Como é o processo de composição?

H: As composições são nossas e o processo de composição é bem natural. A gente vai tirando som e vai encaminhando isso numa direção, tipo tentando remeter à paisagens, situações, épocas, etc. No fim a gente lembra várias coisas que a gente gosta, mas sempre tentamos fazer uma coisa nova e diferente, porque isso é o que dá pé.

EO: O que vocês acham dessa onda de downloads pela internet? Você acha que prejudica os artistas?

H: A gente acha massa. Baixamos coisa pra caralho. Acho que pra quem tá trabalhando independentemente, como a gente, esse esquema só ajuda. Tudo que conseguimos até agora foi através da internet.

EO: Quais são os planos, do Burro Morto, para o futuro?

H: A gente quer tocar, queremos conhecer lugares que ainda não tocamos. Estamos na pilha mesmo de trabalhar. Temos dois festivais no Nordeste pra tocar e estamos tentando novas datas em São Paulo pro fim de outubro. Estamos ainda vendo também como vamos distribuir o disco, se vai rolar disco físico ou só mp3... Esses encaminhamentos de business e produção que ainda somos nós que tomamos conta. Nossa agenda pode ser acompanhada no www.myspace.com/burromorto.

2008 Varadouro (EP)

1. Navalha
2. Indica
3. Menara
4. Cabaret

Abaixa aqui no Eu Ovo

15 comentários:

Eduardo disse...

"Pousada Bar são algumas bases desse disco novo, são as músicas nuas e cruas, como vieram ao mundo. Ainda em clima de jam sessions. Já o "Varadouro", além das 4 músicas do primeiro EP regravadas, reeditadas e com a mixagem definitiva, conta com mais 3 músicas inéditas e inaugura a nossa formação atual."

O álbum postado não deveria contar com 7 faixas?

Eu Ovo disse...

Eu ripei o varadouro do cd mesmo - quando vi essa resposta também perguntei isso pro Haley - mas ele ainda não me respondeu.
Baixa ai e curte o som - se tiver mais faixas eu logo mais coloco aqui também.
abs

FRED BENNING disse...

FUDENDO O SOM DOS CARAS MEU IRMÃO.
ABRAÇO

Eduardo disse...

Já baixei e já ouvi... Muito bom... O skit do cara falando "da cintura para baixo é tudo novo!" é sensacional hahahahah

valeu...

ps. se tiver mais, posta ai que a vale a pena.

Eu Ovo disse...

Pois é galera! O som é foda demais. O Haley me respondeu pelo myspace e segue abaixo a resposta para a questão do disco ter mais 3 faixas, do que as 4 que foram disponibilizadas:

"Então, as 3 músicas inéditas estão no CD, que ainda não foi lançado. Adiantamos apenas as 4 em forma de EP porque precisávamos de um material de divulgação. Se soltarmos as outras 3 agora antes do lançamento fica difícil negociar com os distribuidores. Precisamos de algo ainda não lançado e estamos justamente nessa fase de negociação. Depois disponibilizamos o disco inteiro pro blog.
abraço!
Haley".

Gabriela Ventura disse...

menino! esse comentário é só para parabenizá-lo pela quantidade de links e resenhas 'ótemas' que achei por aqui.
cheguei procurando links para álbuns da Esperanza Spalding e agora estou dando uma garimpada no blog.

foi direto pros meus favoritos. ;)

Um abraço!

GRAVETOS & BERLOTAS disse...

Bela amostra do som dos caras. Da melhor qualidade!
Como tem aparecido coisa boa, hein!?, Bruno! Pata de Elefante, Macaco Bong, Burro Morto... Estou pensando em construir um imenso 'zoológico musical' pra abrigar tanto bicho, hehehe. Ou uma Arca de Noé...
[]ões

Eu Ovo disse...

É verdade...
não tinha reparado nos nomes das bandas en o zoológico de feras.
Todas 3 são bandas exelentes.
abração

Gustavo Schiezaro disse...

Putz!! Esse som é do caralho! Não vejo a hora de ouvir o resto!

Eu Ovo disse...

eu também - valeu pelos coments pessoal!
assim que eles lançarem o cd a gente coloca o som aqui tmb.

Sergio disse...

Sonzera, hein, Bruno. Te imitando, quando de uma de tuas visitas: tou ainda no começo da 2ªdona faixa e já baixei aqui pra cumprimentá-lo, posto q é certeza que este álbum vai de bom a muito melhor!
Um abraço!

Sergio disse...

Ah, não resisti. É que ouvi em 'carreirinha', um depois o outro:
mesmo o Burro Morto, mata a pau e a pancadas. Descasca, melhor dizendo, o Macaco Bong. Que é até legal, bem tocado e tal... Mas, bem rápido, fica repetitivo, cansativo, enfim, aquele álbum 'uma vez basta'.

Os caboco da paraíba já não, um som maduro, consistente e, considerando a época, até inovador, nas influências e a maneira de expressá-las.

Claro! Minha opinião. Mas como disse, ouvi-os de carreirinha. E a primeira bateu, já a segunda só instigou retornar naquela fonte anterior.
Era isso.

shakia disse...

é viciante, q sonzera...
obrigado burro morto...
orgulho de ser brasileiro

Daniel Minduim disse...

Pow....só venho completar os comentários....De F U D E H !!!!...
Quero permissão pra postar no meu blog...Na moral...Loko, loko, loko...
www.zer8centos.blogspot.com

rafalopo disse...

Link quebrado, tem como consertar?
Gracias