SALVE EUOVO!!!

Sempre houve a intenção de transformar o blogui em site, rádio on-line e tudo mais. Mas para esta tarefa é necessário suporte financeiro.

Para isso o blogui abre esta campanha de financiamento colaborativo que vai garantir a manutenção e quiçá sua transformação em site etc.

Sua contribuição vai ajudar a manter postagens semanais sobre os mais variados artistas com álbuns em download gratuito, dicas sobre discos a baixar, podcasts, novos lançamentos em streaming, retrospectivas e listas de melhores discos de cada ano – incluíndo listas de melhores álbuns dos anos passados como por exemplo 1964, 1999, 1986, 1971 entre outros anos.

Por isso o blogui encerra este período de hiato na esperança de alcançar o aporte financeiro necessário para dar continuação aos trabalhos por mais um ano.

Então para manter o blogui ativo... Siga o site vakinha e contribua neste processo.

Quando atingirmos a meta... Vamos dobrar a meta... E ai quem sabe? Venha um site... Uma radio on-line... Canal no youtube... E tudo mais... Valeu!!!

domingo, 27 de dezembro de 2015

O FUTURO DO MUNTCHAKO É CERTO

O trio 'Muntchako' ultrapassa fronteiras e se apresenta como uma das mais importantes bandas e surpresas da atualidade.  


Quando primeiro escrevi sobre a banda 'Muntchako', formada por Barata na bateria, Macca na percussão e Samuca nas guitarras e programações, só tinha ouvido a canção 'Emojubá'. Mas agora o trio já soltou outras canções na internet.

'Coqueirinho verde' se apresenta como um ska e vai se transformando em salsa aos poucos, assumindo toda a latinidade latente que também vai pesando e ficando eletrônico e acelerando e se transformando numa pletora de energia dançante e susprirante.

O 'Muntchako' deixa o ouvinte sem fôlego e lavado de suor, pois é impossível permanecer parado com esse som na orelha. Ataca diretamente o sistema nervoso e rebolante.

'Cardume de volume', o último single lançado neste ano, trás a participação da funkeira Deise Tigrona apresentando um funk carioca com inúmeras influências e referências, que vão desde o tango argentino ao próprio batidão do funk carioca.

O bom do 'Muntchako' é isso. São tantas influências e casam tão bem, que parece que sempre houveram misturas como essas de funk com tango, ska com salsa e muito mais que vem por ai. É que os meninos do 'Muntchako' vão lançar todas as faixas como single assim que forem ficando prontas.

Quem não conhece, não perca tempo e pare tudo que está fazendo para conhecer essa banda.

2015 Coqueirnho Verde + Cardume de Volume Eps

1. Coqueirinho verde
2. Cardume de volume (+ Deise Tigrona)

domingo, 20 de dezembro de 2015

CARIMBÓ E SIRIMBÓ COM DIRIMBÓ

Banda recifense coloca o tempero paraense no caldeirão de ritmos brasileiros que fervilha na capital pernambucana.

A banda 'Dirimbó' é formada em Recife, por Rafa Lira nos vocais e guitarra, Milla Bigio nos vocais e percussão, Vitor Pequeno na guitarra, Mário Zappa no baixo, Bruno Negromonte na percussão e Alberto Ramsés na bateria.

Com influências latinas dos ritmos que permeiam a cena musical do estado do Pará, a banda apresenta um som dançante no melhor estilo das lambadas, do merengue, carimbó, sirimbó e todos aqueles ritmos sabrosos e calientes que fazem o povo bailar “hasta romper el coco”.

Com quatro canções inspiradas, a banda apresenta o som dançante que viaja desde o Pará a Pernambuco. A primeira faixa, 'Selfie', brinca com o avanço da tecnologia em detrimento ãs relações sociais e amorosas.

'A noite não é minha' apresenta um merengue sensacional enquanto 'Cacarimbó' arrasa no carimbó. 'Cabousse' encerra o EP com uma lambada deliciosa. Não saia de casa antes de baixar essa pérola...

2015 Dirimbó EP

1. Selfie
2. A noite não é minha
3. Cacarimbó
4. Cabousse

domingo, 13 de dezembro de 2015

DE QUANDO O AXÉ DA BAHIA ENCONTRA COM O ASÉ DA NIGÉRIA

Banda baiana faz intercâmbio entre Salvador na Bahia e Lagos na Nigéria, através da mistura entre diversos ritmos e o afrobeat.  


O 'Ijexá Funk Afrobeat' é uma banda de Salvador, que faz uma mistura homogênea entre a cultura brasileira e o afrobeat.

O 'I.F.Á. Afrobeat' é formado por Jorge Dubman na bateria, Fabricio Mota no baixo, Átila Santtana e Prince Ádamo nas guitarras, Alexandre Espinheira na percussão, André T. nos teclados, Normando Mendes no trompete, Ráiden Coelho no sax, Hugo Sanbone no trombone e Ton Carvalho no sax barítono.

A eles se juntou a cantora nigeriana Veronny Okwei Odili para lançarem o EP 'I.F.Á.' com produção de André T. e arranjos e composições coletivas. A banda segue a linha instrumental, mas o casamento com a voz de Veronny se tornou inevitável. A voz

Todo potencial sonoro do 'I.F.Á. Afrobeat' é revelado logo na capa do EP, com arte de Lemi Ghariokwu, o mesmo que fazia capas dos álbuns de Fela Kuti, e que neste caso apresenta o conceito pan-africanista e afrofuturista, com elementos tradicionais da cultura yorubá e da cultura africana. “As listras coloridas representam o encontro entre as culturas Nigeriana e Afro-Brasileira e o diálogo entre elas. Os círculos concêntricos simbolizam a vida como um ciclo contínuo”, como afirma o próprio Lemi.

“Sinto, firmemente, que o objetivo e sua relevância é inspirar Afro-Brasileiros e outros Africanos Diásporos a compreender que trabalhando juntos e ajustando nossas mentes para a África criamos um nobre caminho para alcançar o sonho de liberdade eterna e da auto realização para a unidade e progresso últimos”, encerra Lemi.

2015 I.F.Á. Afrobeat + Okwei V. Odili EP

1. Afrofunk revolution
2. Suffer
3. Afro woman
4. Ebenezer
5. Axé!

domingo, 6 de dezembro de 2015

ABEOKUTA MOSTRA QUE O AFROBEAT TAMBÉM VIVE EM PERNAMBUCO

Banda pernambucana adere ao afrobeat e entrega uma homenagem a capital da Nigéria com o nome de 'Abeokuta Afrobeat'.



O afrobeat foi criado na Nigéria por Fela Kuti e Tony Allen, que ainda vive e recentemente fez intercâmbio com alguns artistas brasileiros. Quem também fez incursões em terras tupiniquins foi o guitarrista Oghene Kologbo, que já tocou com Fela Kuti e também com Tony Allen.

Esse ritmo é a mistura das batidas tradicionais da Nigéria com o jazz e o funk – o que criou um ritmo totalmente diferente, o afrobeat. Esses toques tradicionais também vieram nos navios negreiros e é por isso que o afrobeat parece uma evolução natural de outros ritmos brasileiros.

O afrobeat casa perfeitamente em qualquer ritmo brasileiro e é por isso os músicos que fizeram parte desta revolução são aclamados quando visitam nosso país. Tony Allen já gravou com uma galera da pesada e Oghene Kologbo também deixou fortes impressões nos artistas brasileiros.

Foi esse o caso da galera de Pernambuco que forma o 'Abeokuta Afrobeat': Jedson Nobre no baixo, Chico Farias e Pedro Drpe nas guitarras, Hood Rocha nos teclados e voz, Diego Drão no órgão, Miguel Jorge na voz, Beto Bala na bateria, Samuel Negão na percussão, Parrô Mello no sax barítono e Márcio Oliveira no trompete – com participações em disco de Fabiano Lima na percussão, Deco Santos no trombone, Kevin Jack no trompete e Elci Ramos no sax.

Com quatro faixas, o 'Abeokuta' apresenta o afrobeat com influências brasileiras que vão desde o óbvio maracatu ao afoxé. Que oxalá ilumine o caminho destes guerreiros sensacionais! Uma verdadeira viagem aos mantras musicais do afrobeat brasileiro. O afrobeat é nosso!

2015 Agô EP

1. Agô
2. Mr. Job
3. Lessimí
4. Orunmilá