SALVE EUOVO!!!

Sempre houve a intenção de transformar o blogui em site, rádio on-line e tudo mais. Mas para esta tarefa é necessário suporte financeiro.

Para isso o blogui abre esta campanha de financiamento colaborativo que vai garantir a manutenção e quiçá sua transformação em site etc.

Sua contribuição vai ajudar a manter postagens semanais sobre os mais variados artistas com álbuns em download gratuito, dicas sobre discos a baixar, podcasts, novos lançamentos em streaming, retrospectivas e listas de melhores discos de cada ano – incluíndo listas de melhores álbuns dos anos passados como por exemplo 1964, 1999, 1986, 1971 entre outros anos.

Por isso o blogui encerra este período de hiato na esperança de alcançar o aporte financeiro necessário para dar continuação aos trabalhos por mais um ano.

Então para manter o blogui ativo... Siga o site vakinha e contribua neste processo.

Quando atingirmos a meta... Vamos dobrar a meta... E ai quem sabe? Venha um site... Uma radio on-line... Canal no youtube... E tudo mais... Valeu!!!

domingo, 25 de maio de 2014

UMA MARRETADA NA ORELHA ou QUAL DE VOCÊS É O CHARLIE? …E OS OUTROS SÃO OS MARRETAS?

Banda paulistana cria um funk pesado e pegajoso com forte influência dos bailes blacks da década de 70. 



Nos primórdios dos bailes funks – como são atualmente conhecidos – eram os bailes da pesada, também chamados de bailes blacks.

A banda 'Charlie & os Marretas' usou essas influências para criar a pegada forte e precisa, cheia de barulhinhos e grooves pesados. Formada em 2009 por Charles Tixier na bateria, MPC e voz, Gabriel Basile na percussão e voz, André Vac na guitarra e voz, Guilherme Giraldi no baixo e Tomás de Souza nos teclados e voz. Participação especial de Rafael Molina e Vinicius Chagas nos saxofones e Natan Oliveira no trombone e trompete.

O 'Charlie & os Marretas' apresenta o estilo único do funk psicodélico, que fica entre o jazz-fusion e a soul-music – no melhor estilo George Clinton e Bootsy Collins, entre outras referências. Com um disco para atingir em cheio as pistas de dança nos bailes blacks dos dias de hoje.

Com um clipe espirituoso o 'Charlie & os Marretas' se apresentam ao grande público e mostram seu funk brasileiro com tempero latino.

2014 Charlie & os Marretas

1. Intro
2. Demetrius
3. Bote um funk
4. Chegou a hora
5. Baile da pesada
6. O vô te ensina
7. Marretón
8. Black Geeza
9. Quimpassi

domingo, 18 de maio de 2014

SEM QUE EU POSSA CONTROLAR

Clássico caso de filho e sobrinho de músicos que vira ator que depois vira compositor que vira cantor e canta seus sucessos como ninguém. 



Com a veia artística, Ian Ramil apresenta composições fortes e singelas em seu vigoroso álbum de estréia.

Já há tempos, que o ator, compositor e cantor Ian Ramil envereda seu caminho pelas artes. Primeiro cênicas para depois iniciar parceria em algumas composições com os conterrâneos da banda 'Apanhador Só'.

Com o lançamento de 'IAN', o artista enaltece as relações humanas e experiências pessoais em belas canções inspiradoras. O álbum abre com 'Segue o bloco', uma celebração às novas experiências do povo nas ruas – que ocorreram no ano passado. Seguida pela beatlemaniaca 'Seis patinhos', na forma de uma balada intimista.

'Zero e um' é um hino melódico de clímax poderoso, seguido pelo 'Pelicano' a voar pelo arranjo em ragtime. 'Suvenir' mereceu um clipe inspirador – no topo da postagem – todo filmado por Ian em seu celular e editado pela irmã, Isabel Ramil.

“Durante alguns meses eu filmei com meu celular cenas do meu cotidiano, gente que eu amo, lugares que eu ia. As pessoas estranhavam e ficavam perguntando o porquê dessa mania recente, mas eu nunca contei pra ninguém o que tinha em mente (não queria criar expectativas e não podia ter certeza da eficácia dessa ideia que eu intuía). Aí peguei todas as imagens e entreguei na mão da minha irmã pra ela fazer a edição. No fim, acho que a minha intuição apontou o caminho certo. O resultado é o primeiro clipe do meu disco”, declara Ian em seu feicibuqui.

'Nescafé' já havia sido gravada pela banda 'Apanhador Só' e por Filipe Catto, mas nas mãos de Ian se tornou uma ode ao clássico dos Beatles, 'I want you (she`s so heavy)'. 'Entre o cume e o pé' é mais uma peça homenagem às inúmeras influências com o verso clássico de 'Jorge da Capadócia' de Benjor. 'Cabeça de painel' começa como uma paulada na orelha e segue nesse mesmo intuito. 'Over and over' apresenta versos em inglês numa melodia singela e contagiante.

Em 'Transe', Ian transborda como um rio de inspiração em um final apoteótico pontuado por um solo de sax barítono com tuba. 'Imã ralo' trás o máximo do vocal falsete de Ian, enquanto 'Hamburguer' mostra exatamente o contrário – também cantada em inglês. O disco encerra com 'Rota', canção de rara beleza e simplicidade.

2014 IAN

1. Segue o bloco
2. Seis patinhos
3. Zero e um
4. Pelicano
5. Suvenir
6. Nescafé
7. Entre o cume e o pé
8. Cabeça de painel
9. Over and over
10. Transe
11. Imã ralo
12. Hamburguer
13. Rota

domingo, 11 de maio de 2014

MEMÓRIAS DE UM CARAMUJO CHEIO DE GENTE

Banda paulistana mistura diversas influências e estilos para criar um som único e universal, que vai fazer sua cabeça.



'Memórias de um Caramujo' é uma das jovens bandas atuais e pertinentes do cenário musical paulistano, formada por Beatriz Mentone nos vocais, André Vac na guitarra, bandolim e vocais, Gabriel Basile na bateria e percussão, Gabriel Milliet no violão, sopros e vocais, Thomas Huszar no baixo e vocais.

As 'Memórias de um Caramujo' propõem uma catarse coletiva entra banda e ouvinte, onde o espectador compactua com a coletividade do conjunto, que destila todas influências a todo e qualquer momento. Melhor dizendo, tudo aquilo que escutamos todos – ou já escutamos um dia – faz parte do repertório da banda.

Impossível destacar esta ou aquela canção, visto que todas se misturam e se transformam em tempo integral. Por isso você pode começar ouvindo uma balada e terminar com rock pesado, do rock rural à ópera dodecafônica, do sambinha ao psicodélico ou da salsa ao progressivo. Enfim.... Um disco imperdível e memorável cheio de referências e reverências à música brasileira.

Quer uma definição do som das 'Memórias de um Caramujo'? Melhor seria dizer que é o encontro entre o clube da esquina com a vanguarda paulista e com o rock progressivo e psicodélico.

2014 Cheio de Gente

1. Ávida dúvida
2. Caminho de volta
3. Nina
4. Rio
5. Meu corpo é
6. Potosí
7. Tribo dos homens
8. Delírios da chuva
9. Sino
10. Sandança
11. Cosmogonia

domingo, 4 de maio de 2014

VOCÊ QUE É MAL PASSADO E QUE NÃO VÊ

Antonio Carlos Belchior ganha homenagem de novos artistas, que recriam suas canções e mostram que ainda continuam atuais.


O remake do álbum seminal de Belchior, 'Alucinação' de 1976, foi lançado digitalmente com regravações de clássicos do cancioneiro deste grande compositor nordestino. Este tributo ainda contém outras canções, lançadas em outros álbuns do bardo cearense, na forma de um EP digital.

O álbum 'Ainda Somos os Mesmos' segue a mesma ordem do clássico de 76. Começa com 'Apenas um rapaz latino americano' interpretada por Dario Julio & os Franciscanos – também conhecido como Dary Jr. da banda 'Terminal Guadalupe' – e segue com outra estréia solo, desta vez de Manoel Magalhães – da banda 'Harmada' – com a versão rockenrou para 'Velha roupa colorida', com muitas referências roqueiras nos riffs de guitarra.

'Como nossos pais' recebeu bela transformação nas mãos e voz de Phillip Long – coisa difícil de se alcançar após a versão quase definitiva de Elis Regina. 'Sujeito de sorte' também foi levemente modificada e ganhou uma levada mais rockenrou ao invés do groove da versão original pela banda 'Nevilton', que também inseriu riffs interessantes à melodia Belchioriana.

Lucas Vasconcelos – a outra metade do 'Letuce' – apresenta uma interpretação eletrônica para a minimalista 'Como o diabo gosta'. Bruno Souto – das 'Bicicletas de Atalaia – insere experiências em 'Al;ucinação'. 'Lemoskine' é o projeto solo de Rodrigo Lemos – d'A Banda mais Bonita da Cidade' – e mostra vigor em 'Não leve flores'.

A banda 'Fábrica' dá uma versão épica 'A palo seco', seguida pela 'Transmissor' com 'Fotografia 3x4' numa levada rock-indie. Marcelo Perdido – da banda 'Hidrocor' – encerra o disco com 'Antes do fim'.

Como não bastassem as ótimas versões para o álbum 'Alucinação', foi lançado ainda um EP com outros clássicos de outros discos de Belchior. 'Todo sujo de batom' – do primeiro álbum do compositor – recebeu versão pesada da banda 'The Baggios', seguida pela versão folk de Jomar Schrank para 'Comentário a respeito de John'.

Ricardo Gameiro apresenta uma versão voz, violão e programações para 'Medo de avião', enquanto
João Erbetta mostra uma intimista 'Paralelas'. Mana denota delicadeza e fragilidade em 'Coração selvagem'. A versão de 'Na hora do almoço' de Bonifrate entrou como bônus do EP 'Entre o Sonho & o Som'.

Esses artistas recriam as velhas canções e demonstram que a poesia de Belchior não envelheceu e continua relevante e pertinente mesmo nos dias de hoje.

2014 Ainda Somos os Mesmos

1. Dario Julio & os Franciscanos – Apenas um rapaz latino americano
2. Manoel Magalhães – Velha roupa colorida
3. Phillip Long – Como nossos pais
4. Nevilton – Sujeito de sorte
5. Lucas Vasconcelos – Como o diabo gosta
6. Bruno Souto - Alucinação
7. Lemoskine – Não leve flores
8. Fábrica – A palo seco
9. Transmissor – Fotografia 3x4
10. Marcelo Perdido – Antes do fim

2014 Entre o Sonho & o Som EP

1. The Baggios – Todo sujo de batom
2. Jomar Schrank – Comentário a respeito de John
3. Ricardo Gameiro – Medo de avião
4. João Erbetta – Paralelas
5. Mana – Coração selvagem
6. Bonifrate – Na hora do almoço